Acordo entre ACP e Procon-PR estimula diálogo

O presidente da Associação Comercial do Paraná (ACP), Edson José Ramon, a secretária estadual da Justiça (representando o governador Beto Richa), Maria Tereza Uille Guimarães, e a diretora do Departamento Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-PR), Claudia Silvano,  assinaram nesta terça-feira 22, o termo de cooperação técnica entre ACP e Procon- PR. O acordo  visa trabalhar pela melhoria do relacionamento entre fornecedores e consumidores, diminuindo o volume de reclamações por parte dos clientes junto ao órgão estadual de proteção ao consumidor.

De acordo com o presidente da ACP, a ideia nasceu em dezembro passado com o intuito de estimular a resolução de pequenos conflitos e entre comericantes e clientes, buscando a solução por meio do diálogo entre ambas as partes. Caberá à ACP disponibilizar o espaço físico para a realização das etapas previstas no termo de cooperação, fornecer o material didático e informativo aos participantes, além de estimular o engajamento de seus associados no programa de treinamento a ser ministrado pelo Procon.

Durante o evento, a diretora do Procon-PR exaltou a iniciativa da entidade. “O convite da ACP veio em boa hora, pois a nossa maior preocupação é estimular a solução espontânea e um acordo ágil entre as partes. Para isso propomos o treinamento direto com os empresários, para entenderem o direito do consumidor e os seus próprios direitos”, destacou Cláudia.

O treinamento será realizado mediante palestras, seminários e mesas redondas num período de 12 meses, que poderá ser renovado em havendo interesse de ambas as instituições. Um dos aspectos relevantes do projeto de cooperação visa estimular a criação de mecanismos alternativos da parte dos fornecedores, tais como a valorização do diálogo, para a solução amigável dos problemas apresentados pelos compradores.

Para a secretária da Justiça, Maria Tereza Uille Guimarães,  as instituições deram um importante passo para na renovação da relação entre comércio e cliente. “Nós estamos adotando uma solução contemporânea, por meio do diálogo e da mediação. Dessa forma conseguiremos evitar que os casos cheguem ao Procon e ao juizado especial, desafogando esse importante órgão e beneficiando outros municípios”