ACP promove nova reunião sobre pichação

Encontro entre presidente da instituição e representantes da segurança pública acontece nesta quinta-feira (10).

Após dar início ao debate sobre como combater e punir o grande número de pichadores em Curitiba, a Associação Comercial do Paraná (ACP) volta a se reunir, nesta quinta-feira, às 10h, com representantes da segurança pública, da secretaria de Educação e da mídia para organizar ações efetivas junto à comunidade com o intuito de evitar a degradação de patrimônios públicos e privados da cidade. Segundo o presidente da ACP, Edson Ramon, a entidade está preocupada com a situação que, além de trazer prejuízos aos proprietários de imóveis, já pode ser considerada fora de controle. O encontro acontece na sede da ACP, rua XV de Novembro (621), no nono andar.

O primeiro encontro, realizado no fim do ano passado, contou com a presença do major Luiz Marcelo Maziero (GGI-PM), do capitão Izouel Pavan de Souza, do comando regional da PM, do tenente Edilberto Mazon, do Batalhão de Patrulha Escolar, e também de Ana Gabriela Simões, gerente do grupo GRPCom.  Eles retornam à Casa ao lado do diretor da Guarda Municipal, Claudio Frederico de Carvalho, do chefe de gabinete da Secretaria do Estado de Segurança Pública, Walter Gonçalves, da responsável pelo programa Comunidade Escola, Hilda Ribeiro Diniz, do presidente do Sindicato das Escolas Particulares do Paraná (SINEPE), Jacir Venturi, do presidente do Sindicato dos Vigilantes, João Soares, entre outros.

Segundo o major Maziero, a Polícia Militar pretende utilizar seus recursos de inteligência para coibir a ação dos pichadores, por meio da ação repressiva, identificação dos diferentes grupos que atuam na cidade e o estabelecimento de parcerias com a Polícia Civil e Guarda Municipal, “além de propiciar o treinamento necessário aos policiais para a busca, abordagem e restrição à incidência desse tipo de crime”.

O tenente Edilberto Mazon, do Batalhão de Patrulha Escolar, também destacou os bons resultados registrados em alguns bairros e municípios da região metropolitana, após a realização de trabalho preventivo entre adolescentes e jovens matriculados na rede pública escolar.