ACP questiona elevação dos preços de combustíveis

O presidente Edson José Ramon, da Associação Comercial do Paraná, informou que a entidade ficou surpresa e preocupada com a repentina elevação dos preços dos combustíveis na maioria dos postos de abastecimento da região de Curitiba. “O estranhamento da entidade também se deveu ao fato de que o movimento que resultou na elevação teve a adesão maciça dos revendedores, de forma abrupta às vésperas do feriado prolongado, sem que a população fosse avisada com antecedência”, revelou.

Atendendo a solicitação de vários associados, Ramon fez contato com o presidente do Sindicombustíveis, Roberto Fregonese, para quem a entidade sindical não teve a menor participação no aumento dos preços. Fregonese admite, porém, que as margens praticadas pelos revendedores estão comprimidas e, por esse motivo exigem criteriosa revisão, mas não da forma como ocorreu.

Segundo Ramon, a ACP, embora na qualidade de defensora da legitimidade do lucro e da liberdade de mercado, se reserva o direito de questionar o método usado para o aumento nos preços dos combustíveis por parte dos revendedores de combustíveis de Curitiba.