Álvaro recebe título da Cidadania ACP

Políticos e empresários participaram da homenagem ao senador paranaense

“Destruir o modelo promíscuo e perverso desse governo suprapartidário implantado no País nos últimos dez anos é a missão da sociedade organizada, diante da impotência dos partidos de oposição, cujo número atual é o mais reduzido da história do País e o menor da América Latina”, reconheceu o senador Álvaro Dias (PSDB-PR), um dos principais líderes oposicionistas no Congresso Nacional, saudado pelo presidente Edson José Ramon, da Associação Comercial do Paraná (ACP), como “um dos políticos mais combativos da República”.

A declaração foi feita nessa segunda-feira (24), durante ato promovido pelo Conselho Político da entidade de classe do setor produtivo, o senador foi agraciado com o título da Cidadania ACP, outorgado a personalidades que se destacam na esfera pública ou empresarial pelo respeito absoluto à ética e transparência.

Em seu discurso de saudação, o presidente Edson José Ramon justificou a concessão do título ao senador, lembrando “não só a importância política do ilustre cidadão, mas também por ser grande amigo e parceiro da ACP em sua trajetória histórica”, repercutindo no Congresso Nacional as bandeiras alçadas pela entidade diante do risco da Nação “ver solapados os valores maiores da ética e moralidade pública”.

O presidente asseverou, ainda, que na condição de líder oposicionista e exemplo “do exercício do contraditório como conquista irreversível do Estado Democrático de Direito”, o senador Álvaro Dias “não deve sentir-se solitário em sua atuação”, aludindo ao apoio representado pelo “clamor público a todos aqueles que no cotidiano e por suas ações mostram uma vontade férrea de transformar o Brasil num País melhor”.

Ainda em seu pronunciamento, Ramon acentuou que a atividade incansável de Álvaro no Congresso dá guarida à afirmação de que “o Paraná mandou para Brasília um dos homens mais combativos da República”.

Balcão de negócios 

Ao agradecer a homenagem, Álvaro não escondeu o fato da responsabilidade do Legislativo, ressalvando que “no contexto atual a classe política é impotente, tendo em vista que o Executivo acabou cooptando a maioria dos partidos pela nomeação de ministros, transformando o governo num balcão de negócios”. O senador assegurou que “o caminho da barganha política não é o desejado pela maioria da sociedade e, por esse motivo o modelo deverá ser derrubado”.

Interrompido pelo aplauso dos participantes, Álvaro declarou que o atual governo é formado pela presidente Dilma Rousseff e seus 40 ministros, acrescentando aos 39 nomeados “mais o ministério do Marketing”. Sublinhou que “é impossível governar com 40 ministros, havendo aqueles que até hoje não foram recebidos pela presidente, o que muitos consideram uma sorte”.

Dentre as mazelas apontadas pelo senador, também se referiu à pesada carga tributária que “alimenta o desperdício de recursos na manutenção da estrutura gigantesca gerada pelo modelo promíscuo”. Segundo o representante do Paraná, “se esse modelo não for substituído, será atropelado pela sociedade e esse fato será visto claramente nas eleições de 2014”. Ele fez questão de acentuar a relevância das manifestações populares, enfatizando que nos últimos dias sua página no facebook “teve mais de três milhões de acessos de pessoas dispostas a participar das manifestações em prol de um novo Brasil”.

O Estado brasileiro é perdulário, ratificou, transformado pelo governo federal “num paquiderme lento e preguiçoso”, referindo-se diretamente à precariedade dos serviços públicos de saúde, educação, segurança pública e, especialmente o pífio crescimento econômico. “É preciso ler com clareza o que os jovens estão escrevendo nas ruas e, isso todos nós sabemos o que é, embora o governo ainda procure dissimular”.

Participações

Ao receber congratulações do grande número de empresários presentes, o senador Álvaro Dias foi reconhecido entre os parlamentares marcados pela luta contra o esbanjamento de recursos públicos, assinalando-se o não recebimento do auxílio-moradia de R$ 3 mil mensais e a verba indenizatória de R$ 15 mil, além do gasto restrito a apenas 1/3 das passagens aéreas a que tem direito, significando para o Senado uma economia anual de R$ 500 mil. Ainda, na condição de ex-governador do Estado, há 23 anos ele não recebe a aposentadoria de R$ 23 mil mensais.

Participaram do evento, seguido de almoço de confraternização, os deputados Valdir Rossoni (presidente da ALEP), Ademar Traiano (líder do governo Beto Richa), Francisco Burher, Alceu Maron, Mara Lima e Roseli Litro, o ex-deputado federal Nivaldo Krieger, o desembargador João Koptowski, os ex-presidentes Ardisson Naim Akel, Marcos Domakoski (representando Jonel Chede), Virgílio Moreira Filho e Avani Tortato Rodrigues, vices-presidentes e coordenadores de conselhos e, ainda, o reitor da Universidade Positivo, José Pio Martins, Élio Bampi, vice-presidente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), entre muitos outros convidados.