Arrecadação de impostos atinge R$ 1 trilhão nesta terça-feira

Manifestação de jovens empresários em frente ao impostômetro marca luta contra carga tributária.

A arrecadação de impostos federais, estaduais e municipais deve chegar à casa do R$ 1 trilhão entre as 11 e 11h30 desta terça-feira (13). A estimativa é do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), que opera o impostômetro instalado no prédio da Associação Comercial do Paraná (ACP), no Centro de Curitiba. No ano passado, a cifra só foi atingida 43 dias mais tarde (em 26 de outubro), e em 2009, em 15 de dezembro.

O cálculo do IBPT considera todos os valores recolhidos pelas três esferas de governo a título de tributos (impostos, taxas e contribuições, incluindo as multas, juros e correção monetária) e a projeção do instituto é que o painel chegue a R$ 1,5 trilhão no último dia do ano, 20% a mais do que atingiu em 31 de dezembro de 2010 (R$ 1,2 trilhão).

Insatisfeitos com o tamanho da “mordida” no bolso do consumidor, que só aumenta a cada ano, o Conselho dos Jovens Empresários (CJE) da ACP realizará uma manifestação embaixo do impostômetro. A manifestação servirá, também, para antecipar as ações do Feirão do Imposto, evento marcado para o dia 17 de setembro (sábado), na intenção de mostrar à população a parcela de impostos embutida em tudo o que é adquirido.

O Feirão ocorrerá simultaneamente, das 9 às 14 horas, em mais de 20 cidades do estado. Na capital, as atividades serão realizadas em 10 bairros, onde serão montadas tendas com exposição de produtos e serviços, e apresentados os preços reais de cada um deles sem o acréscimo dos impostos. A novidade desta edição, é a venda de games, móveis para escritório e mensalidades de cursos universitários livre de tributos. Os descontos são, em média, de 40%.

 Na ponta do lápis 

Se você não sabe quanto paga, efetivamente, de impostos, o IBPT fez as contas. Cada pessoa desembolsa, em média, R$ 6 mil por ano só pagando tributos. Em 2011, por exemplo, é como se os brasileiros tivessem trabalhado até o dia 29 de maio apenas para quitar os débitos com o governo federal, estadual e municipal. O cálculo leva em conta todas as taxas do fisco, como Imposto de Renda, INSS e as contribuições sindicais, além dos tributos sobre o consumo e propriedade de bens. Alíquotas arrecadadas com limpeza pública, coleta de lixo, emissão de documentos e iluminação pública também foram computadas no levantamento.