CJE discute inovação e perfil empresarial

Em palestra na ACP, Filipe Cassapo, destacou a falta de investimento em pesquisa

O gerente executivo do Centro Internacional de Inovação do Sistema FIEP, Filipe Cassapo, foi o palestrante do café da manhã com o Conselho de Jovens Empresários (CJE), da Associação Comercial do Paraná (ACP), nessa quarta-feira (25).
Acostumado com os processos de gestão de conhecimento e inovação nas empresas, Cassapo participa ativamente do projeto Rede de Investidores Anjos, iniciativa da FIEP que visa atrair investidores para novas empresas, com ideias inovadoras, no entanto, carentes do investimento inicial. O conferencista destacou que os empresários devem atentar para novos cenários, buscando soluções empreendedoras e baseadas nas ideias que regem o mercado.
Ao citar o exemplo de criatividade do jovem empresário norte-americano Mark Zuckerberg, fundador da rede social Facebook, que recentemente comprou o aplicativo para fotos Instagram, por cerca de US$ 1 bilhão, Cassapo abriu uma discussão sobre a necessidade de investimentos em pesquisa e inovação, lembrando que um dos criadores da empresa Instagram é brasileiro.
Segundo o diretor-executivo da Agência de Inovação da UFPR, Emerson Carneiro Camargo, muitos alunos saem da universidade dispostos a prospectar o primeiro emprego numa empresa de porte, ao invés de criar o próprio sistema de trabalho, o que contribui para a falta de movimentação no mercado do empreendedorismo.
Felipe Cassapo destacou, ainda, que inovação não se resume ao campo tecnológico, lembrando atitudes recentes que aliaram funcionalidade, novidade e interesse da sociedade, caso do perfume Malbec do Boticário, o primeiro no mundo a utilizar álcool vínico em sua composição. Citou também o site Camiseteria, que inova mediante votação das estampas preferidas.
Por fim, Cassapo alertou que o Paraná é um dos estados mais atrasados na votação da Lei de Inovação e, que apesar do Brasil contribuir com 3% do conhecimento científico global, nossas empresas investem 0,5% em pesquisa, percentual cinco vezes menor que os índices da Coréia do Sul, por exemplo. De acordo com Cassapo, menos de 30% dos pesquisadores no Brasil estão nas empresas.