Comandante-geral da Polícia Militar do Paraná fala de segurança pública na ACP

O comandante-geral da Polícia Militar do Paraná, coronel Marcos Teodoro Scheremeta, esteve na Associação Comercial do Paraná (ACP), na manhã desta quinta-feira (13), para participar de uma reunião do Conselho Político da casa. Durante o encontro, foram discutidos os principais gargalos da segurança pública e de que forma a sociedade civil organizada pode contribuir para diminuir a criminalidade.

O coordenador do Conselho Político da ACP, Marco Antônio Peixoto, abriu o debate falando da importância que as forças policiais têm no dia-a-dia dos cidadãos, seja coibindo as ações criminosas ou realizando operações pacificadoras. Segundo ele, “a comunidade tem procurado ajuda, porque confia no serviço dos profissionais dessas corporações”, disse.

Já o presidente Edson Ramon reiterou a importância do conceito de polícia cidadã, lembrando, também, o interesse da população em agir conjuntamente com a polícia.

O comandante da PM, por sua vez, ressaltou a relevância do debate ocorrer na ACP, em especial pela representatividade que a casa tem e pela influência não só econômica, mas também política da entidade. De acordo com o que ele revelou, a corporação vive, atualmente, uma defasagem no efetivo policial e dos 30 mil homens necessários para atender toda a demanda do estado, há apenas 14 mil trabalhando. “Precisamos do apoio de todos para entender que se faltam policiais nas ruas é porque realmente estamos com falta de efetivo e não por má vontade nossa de atuar”, esclareceu.

Scheremeta também falou da necessidade de se realizar o registro de ocorrência dos crimes sofridos ou presenciados. Segundo ele, muitas vítimas deixam de avisar a central da Polícia, o que impede a realização do atendimento e a criação de um mapeamento de pontos críticos, onde os bandidos mais agem. “O 190 está aí para isso”, enfatizou.