Comerciantes e consumidores demonstram confiança

Pesquisa mostra que emprego e salário em alta garantiram desempenho do comércio

O desempenho das vendas do comércio curitibano, em 2012, mostrou crescimento de 9% acima da inflação (5,84%) e da média de crescimento do comercio nacional (6,4%). A conclusão foi apurada em pesquisa realizada pelo Instituto Datacenso, sob encomenda da Associação Comercial do Paraná (ACP).

A explicação para a evolução acima da inflação e da média nacional, segundo o Datacenso, é que a economia teve ótimo desempenho em Curitiba e região metropolitana, que apresentaram, ao longo do ano passado, a maior média salarial e a menor taxa de desemprego do País.

A pesquisa mostrou também que a taxa de inadimplência dos consumidores ficou em 8%, predominando entre os inadimplentes a faixa etária de 30 anos, média de idade dos consumidores que preferem efetuar as compras a prazo.

O índice de situação presente do comerciante curitibano (ISPCC), que avalia o estado de entusiasmo dos lojistas em relação às vendas no período imediato de trinta dias, apresentou média mensal de 142 pontos, demonstrando que os comerciantes se mantiveram otimistas no curto prazo ao longo do ano inteiro.

O Instituto Datacenso mostrou, ainda, que o índice de expectativas futuras do comerciante curitibano (IEFCC), que mede a expectativa do lojista quanto à situação econômica nacional e condição financeira dos clientes nos 12 meses seguintes, apresentou média mensal de 154 pontos. Esse índice indica que os comerciantes estão otimistas também no longo prazo. Dessa forma, comparando os índices de situação presente e expectativa futura, chegou-se à média de 148 pontos mensais na medição da confiança do empresário do comércio na capital.

O consumidor, tanto em termos de situação presente quanto de expectativa futura também se situou em taxas acima de 100 pontos, revelando otimismo e confiança no poder de compra a curto e longo prazo em 2012.

Juros menores

Em relação ao desempenho de 2013 a pesquisa mostrou que a maioria dos comerciantes dos segmentos eletrônicos, celular/smartphones, cosméticos e perfumaria, vestuário e calçados, está entusiasmada com a boa perspectiva dos negócios. Os lojistas acreditam que a economia vai melhorar em função da Copa do Mundo e da política governamental de manutenção dos juros baixos, redução de impostos e correção de rendimentos acima da inflação.

Durante o ano passado, o receio de que a crise internacional fosse ainda mais aguda fez com que o grau de confiança do comerciante curitibano apontasse uma queda acentuada. Entretanto, da parte do consumidor a pesquisa revelou um comportamento oposto, ou seja, de otimismo confiante. A explicação está no bom desempenho da economia na região, com baixo índice de desemprego e maior média salarial em comparação às demais regiões metropolitanas.

Com o nível de confiança em alta os consumidores aumentaram a média do gasto em compras não habituais para R$ 518,40, principalmente com roupas, calçados, eletrônicos, celulares e perfumes, com um crescimento real de 12%. O grau de satisfação do consumidor em relação ao fator de qualidade do atendimento na rede comercial de Curitiba obteve a média anual de 72%. 

Segundo a pesquisa, o índice detectado mostra que o comerciante curitibano tem a necessidade de investir na capacitação dos funcionários a fim de melhorar a qualidade de atendimento da clientela e, com isso, aumentar o volume de vendas. O Instituto Datacenso avalia que o indicador de qualidade do atendimento deveria situar-se acima de 80%.