Conselho da Mulher Executiva homenageia Lourdes Akel

Ato reúne familiares e admiradores da dama empreendedora

O Conselho da Mulher Executiva (CME) da Associação Comercial do Paraná (ACP) prestou homenagem “in memoriam” a Maria de Lourdes Sabbag Akel, falecida em junho passado, aos 92 anos de vida. Dona Lourdes, como era conhecida, pertencia a uma das mais ilustres famílias paranaenses, tradicional nos ramos da indústria e comércio.

Casada com Naim Akel, também empresário desses ramos de atividade, ela passou a ajudar o marido com a experiência obtida nos estabelecimentos de seu pai, Zake Sabbag.

Na saudação à família da homenageada, o presidente Edson José Ramon lembrou a ligação histórica das famílias Sabbag e Akel com a Casa, da qual resultou uma série de parcerias e projetos de sucesso. O presidente citou igualmente o envolvimento de ambas as famílias em importantes projetos sociais, além da participação dos cinco filhos do casal Naim e Lourdes em atividades públicas e privadas.

Estiveram presentes à homenagem os filhos Ardisson, Zaki, Omar, Ricardo e Naim, acompanhados das esposas e vários dos 14 netos e cinco bisnetos da Dona Lourdes. Zaki Akel Sobrinho é o atual reitor da Universidade Federal do Paraná, com a qual a ACP assinou convênio para a recuperação do prédio histórico da Praça Santos Andrade.

O presidente Edson Ramon salientou a participação da UFPR, “a mais antiga do País, na criação do Corredor Cultural de Curitiba e na concepção do Centro Vivo, projeto destinado a revitalizar com diversas intervenções a área central da cidade”.

Em nome da família, o empresário Ardisson Akel, presidente da Junta Comercial do Paraná e ex-presidente da ACP, agradeceu a homenagem lembrando algumas facetas da vida de sua mãe, exaltando sua religiosidade, disposição filantrópica e dedicação ao trabalho, tanto em casa quanto no comércio. Ardisson rememorou a criação das “Blusas Lourdes” numa época de crise econômica, quando o empreendimento paterno em São Paulo (tecelagem e duas lojas na rua 25 de Março), quase foi à falência.

“Meu pai voltou a Curitiba e enquanto trabalhava desde a madrugada na Panificadora Curitibana, Dona Lourdes, com uma auxiliar, passava o dia inteiro na máquina de costura, confeccionando as blusas”, informou.

Falando em nome do CME, a coordenadora Kazuco Akamine Ferraz apresentou dados biográficos da homenageada, lembrando que ela “nasceu num dia 12 de maio, provavelmente um veranico, pois era uma mulher cheia de luz e a espalhava onde quer que andasse”.