Diplomatas visitam o Paraná

“O mundo descobriu o Brasil”, diz embaixador da Austrália 

A Associação Comercial do Paraná (ACP) recebeu para o café da manhã dessa quinta-feira (29) um grupo de embaixadores de países do sudeste da Ásia e Oceania, coordenado pelo embaixador da Austrália, Brett Hackett. O evento foi promovido pelo Conselho de Comércio Exterior e Relações Internacionais (Concex-RI) e contou com a participação do secretário estadual Ricardo Barros, da Indústria, Comércio e Mercosul (Seim), além de diretores e representantes de empresas com atuação em comércio exterior. Os embaixadores foram também recebidos pelo governador Beto Richa e, à tarde, tiveram encontros na Agência de Fomento do Paraná e Fecomércio.

Barros destacou o esforço do governo paranaense na captação de investimentos nacionais e estrangeiros para a implantação de projetos produtivos no estado, lembrando a criação da Agência de Internacionalização do Paraná, formada por representantes de entidades públicas e privadas com interesse em relações econômicas no mercado externo. 

Os visitantes foram saudados em nome do presidente Edson José Ramon, que se encontra em viagem ao exterior, pelo coordenador do Concex, Odone Fortes Martins, que salientou a importância dos programas ACP das Nações e Cooperação sem Fronteiras, destinados a aproximar empresários paranaenses e estrangeiros interessados na realização de parcerias. “O Brasil conta com instituições fortes, economia sólida e grande mercado interno reforçado pelas relações com o Mercosul, totalizando 280 milhões de habitantes. E o Paraná, em particular, está situado num ponto vital desse extraordinário mercado da América Latina”, observou.

O mundo descobriu o Brasil

O embaixador australiano Brett Hackett abriu o roteiro de explanações dos demais integrantes da comitiva, assinalando que efetivamente “o mundo descobriu o Brasil e essa descoberta, em grande medida, está ligada à atuação dos estados da região Sul, dentre eles o Paraná”. Disse ele que seu país está interessado em firmar “uma parceria inteligente com o Brasil em tecnologia, pesquisa e inovação”, bem como nas áreas de infraestrutura, manufatura e indústria.

Falaram em seguida o ministro da embaixada da Coreia do Sul, Kyong-Yong Kim, Eva Betita (Filipinas), Sudaryomo Hartosudarno (Indonésia), Sudha Devi Vasudevan (Malásia), Jeff McAllister (Nova Zelândia) e Tharit Charungvat (Tailândia). Os representantes diplomáticos dos países do sudeste asiático lembraram que, em conjunto, eles formam um mercado de 600 milhões de consumidores, assegurando que o potencial econômico de cada país e suas peculiaridades constituem pontos positivos para a ampliação do comércio bilateral.

O traço característico das economias asiáticas é a excelência em veículos automotores, tecnologia da informação, telecomunicações, máquinas, implementos agrícolas, administração portuária, serviços comerciais e infraestrutura, entre outros. 

Por exemplo, o embaixador tailandês afirmou que em relação aos demais países do mundo o Brasil mantém o maior fluxo comercial com o sudeste asiático e as oportunidades de expansão serão cada vez maiores “porque a área terá comércio livre dentro dos próximos três anos”.