Edson Ramon é Vulto Emérito de Curitiba

Presidente da ACP recebeu homenagem da Câmara Municipal

“Recebo a manifestação como uma força motriz para meu esforço de ajudar os semelhantes a melhor conhecer seus direitos, com a recíproca do respeito ao direito do próximo num país em que tanto se fala em direito, mas pouco em dever”, disse o presidente Edson José Ramon, da Associação Comercial do Paraná (ACP), sob aplausos dos presentes, no discurso em que agradeceu o recebimento do título Vulto Emérito de Curitiba, concedido pela Câmara Municipal na sessão especial realizada nesta segunda-feira (10). 

A proposta aprovada por unanimidade pelo plenário da Casa teve a autoria do vereador Jair Cézar, e dentre as autoridades que prestigiaram o evento destacaram-se a presença do prefeito Luciano Ducci, do deputado federal Eduardo Sciarra e, como representante do governador Beto Richa, o secretário estadual da Copa Mário Celso.

Ramon foi saudado pelos vereadores João do Suco, presidente da edilidade e pelo proponente da homenagem, que lembraram a contribuição do empresário e presidente de importante entidade de classe, no desenvolvimento do setor produtivo e da sociedade.

O vereador Jair Cézar destacou algumas das posições corajosas assumidas pela ACP, sob a liderança de Edson José Ramon, tais como o confronto com as elevadas tarifas de pedágio, as pichações e, recentemente, a aprovação do feriado da Consciência Negra no dia 20 de novembro. Sobre essa questão específica, o vereador reconheceu que “em nenhum momento o presidente Edson José Ramon se colocou contra a celebração da consciência negra, embora tenha se esforçado bravamente para evitar a aprovação de mais um feriado municipal”.

Estímulo

Cercado por familiares, vices-presidentes da entidade e muitos amigos, Edson José Ramon afirmou que a homenagem foi recebida como “precioso estímulo a prosseguir na luta que encetei desde a juventude, emulando o exemplo construtivo de meus saudosos e queridos pais, de quem recebi as primeiras lições da vida dedicada ao trabalho e à atividade empresarial”.

Ramon declarou ter aprendido ao longo da caminhada “a definir o empresário como um ser vocacionado à prestação de serviços à comunidade”, e também a reconhecer que “é missão do empresário contribuir para o aperfeiçoamento da democracia”, além de reclamar na condição de cidadão responsável “a aprovação das reformas estruturais, a começar pelo atual sistema político-partidário”.

No encerramento de sua fala, Ramon enfatizou que “depois de tantos anos intensamente vividos, experimento a sensação de recompensa e esperança no futuro, nos novos horizontes que se abrem para uma juventude sonhadora, nossos filhos e netos, sustentáculos do Paraná e do Brasil cada vez mais fortes e justos”.