Empresários conhecem Operação Urbana Consorciada Linha Verde

Projeto foi apresentado pela secretária de Urbanismo da Prefeitura de Curitiba

A secretária Municipal de Urbanismo de Curitiba, Suely Hass, e o administrador da Regional Matriz, Luiz Hayakawa, apresentaram na noite desta terça-feira (22), na Associação Comercial do Paraná (ACP), a Operação Urbana Consorciada Linha Verde.

O presidente da ACP, Edson José Ramon, disse que “o projeto trará estímulos aos empresários e ajudará a integrar o eixo norte-sul da cidade”. Ramon lembrou que o prefeito Luciano Ducci já havia adiantado que a operação conveniada seria uma das principais obras da cidade, rendendo, inclusive, repercussão nacional e internacional à capital.

A operação prevê intervenções no eixo da Linha Verde, desde o Contorno Sul até o Atuba, que irão mudar o perfil urbano da região. Os investimentos serão feitos pela Prefeitura com recursos provenientes do lançamento da venda de Certificados de Potencial Adicional de Construção (Cepacs) lançados nas na Bolsa de Valores. “Após a lei ser aprovada na Câmara de Vereadores, o Ippuc é que fará os projetos urbanísticos ao longo do novo eixo de desenvolvimento da Linha Verde. Esse é um projeto que vai ajudar muito na requalificação de uma importante área da cidade”, disse a secretária de Urbanismo, Suely Hass.

Cepacs

A projeção de investimentos para a Linha Verde com a captação de recursos da venda dos Certificados de Potencial Adicional de Construção (Cepacs) é de R$ 1,5 bilhão. “Os Cepacs serão emitidos na Bolsa de Valores e os recursos gerados pela negociação dos títulos aplicados diretamente em infraestrutura na área de abrangência do eixo de desenvolvimento”, disse o administrador da Matriz, Luiz Hayakawa.

A área definida para receber os  investimentos envolve 22 bairros ao longo da Linha Verde: Atuba, Tingui , Bairro Alto, Bacacheri, Jardim Social, Tarumã, Capão da Imbuia, Cristo Rei, Jardim Botânico, Cajuru, Jardim das Américas, Prado Velho, Guabirotuba, Parolin, Hauer, Fanny, Novo Mundo, Xaxim, Capão Raso, Pinheirinho, Tatuquara e CIC.

Na reunião com os empresários, foram detalhados os parâmetros construtivos e a forma de cálculo dos potenciais da Operação Urbana. O arquiteto Luiz Hayakawa apresentou um histórico do planejamento da cidade e como era a antiga BR 116 antes de se transformar em uma via urbana.”A participação do Ippuc ao longo do tempo, durante a implantação da Operação Urbana Consorciada Linha Verde, será muito importante. Esse é um plano de longo prazo, para 25, 30 anos”, explicou Hayakawa.

O evento foi promovido pelo Conselho de Bairros do Comércio Vivo da Associação Comercial do Paraná e pela Câmara Setorial de Arquitetura da entidade.