Feirão do Imposto movimenta rua XV

Produtos da cesta básica e até bomba de gasolina foram utilizados para ilustrar excesso de carga tributária. Evento envolveu mais de 400 pessoas.

O Conselho de Jovens Empresários da Associação Comercial do Paraná (ACP) promoveu neste sábado (15) a décima edição do Feirão do Imposto. O evento, que reuniu mais de 400 pessoas, teve como principal objetivo mostrar ao consumidor a alta carga tributária que incide nos produtos consumidos no dia a dia. Segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), dentre os 30 países com a maior carga tributária, Brasil é o que menos repassa em serviços para a população.

Foram instaladas duas barracas na rua XV de Novembro, para exposição de mercadorias mostrando a discriminação dos valores com e sem impostos. Alguns produtos como água mineral (44% de impostos) e açúcar (32%) estão entre os maiores vilões do consumo básico. Até mesmo uma bomba de gasolina foi utilizada para ilustrar as taxas em torno de 50% embutidas no preço do combustível. Uma caminhada em prol da redução da carga tributária e reforma fiscal, acompanhada pelo grupo Maracatu Itá, seguiu, por volta das 10h30, do prédio da ACP até a Boca Maldita.

Alguns bairros como: Boqueirão, Sítio Cercado, Santa Felicidade, Cajuru e Bigorrilho também aderiram o movimento. O evento contou com vários apoiadores, dentre eles, FIEP, Fecomércio, OAB/PR, IBPT, CRC e Sindicombustíveis/PR.

O Feirão do Imposto surgiu em 2003, na cidade de Joinville (SC), e faz parte de uma mobilização nacional encabeçada pela Confederação Nacional dos Jovens Empreendedores (Conaje). De acordo com o coordenador do CJE, Henrique Domakoski, o Feirão é uma maneira de chamar a atenção de muitos cidadãos que acreditam não pagar tributos. “Poucos sabem quanto pagam e como o dinheiro é gasto na gestão pública”.

Brasil já arrecadou R$ 1 trilhão em impostos

No dia 29 de agosto, o impostômetro instalado em frente ao prédio da ACP bateu a marca de R$ 1 trilhão em arrecadação de impostos federais, estaduais e municipais. O valor foi alcançado com 15 dias de antecedência em relação a 2011. A previsão para o fim do ano é que a marca ultrapasse facilmente R$ 1,5 trilhão.