Homenagens e apresentações musicais marcam festa alusiva ao Dia do Professor

Evento faz parte de movimento que visa resgatar a valorização social do mestre

“A escola é considerada por muitos uma extensão de suas casas, e é esse conceito que devemos ter, pois é nela que encontramos aqueles que servirão de peças fundamentais à nossa formação: os professores. São pessoas que dedicam suas vidas para melhorar a vida de uma comunidade e passam grande parte do seu tempo na busca por conhecimento e de melhores maneiras de transmiti-los a nós, alunos”. Esse pensamento simples, mas muito emblemático, é da estudante Gabrieli Schwambach, de 11 anos, residente na cidade de Corbélia, no oeste do Paraná. A menina, que cursa a 5ª série do Ensino Fundamental no Colégio Estadual Duque de Caxias, ganhou o primeiro lugar no concurso de redação “Por que devo respeitar meu professor?”, promovido pelo Conselho da Mulher Executiva (CME) da Associação Comercial do Paraná. O concurso faz parte do movimento “Meu professor, meu exemplo”, que busca a valorização social da imagem do mestre.

No sábado (8), Gabrieli viajou mais de seis horas para participar da festa organizada pelo CME, no Canal da Música, em Curitiba, e ganhou um notebook como prêmio. O evento contou, ainda, com depoimentos sobre a relevância do papel do professor na sociedade, apresentações da Banda do Exército, da pianista Elizabeth Strazzacappa Rech, e de alunos da escola de Artes Guido Viaro, além do sorteio de brindes aos profissionais do magistério.

Nas palavras do coordenador do Conselho de Jovens Empresários da ACP, Monroe Olsen, que na ocasião representou o presidente da entidade, Edson José Ramon, “a figura do professor é essencial na vida de todos, porque à medida que a criança vai evoluindo eles são os principais responsáveis pelos exemplos de ética, moral e retidão, ajudando na formação do caráter e criação de cidadãos mais conscientes e comprometidos com a coletividade”. O coordenador também ressaltou a importância do associativismo para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária e afirmou que “não existiriam tantas pessoas de boa índole, não fosse a formação inicial que receberam”.

Já a coordenadora do Conselho da Mulher Executiva da ACP, Kazuco Akamine, lembrou dos recentes casos de violência protagonizados contra professores e falou das condições em que muitos são obrigados a trabalhar. Segundo ela, são inúmeros os afastamentos e baixas de profissionais em ambientes escolares, quase sempre por conta de prejuízos sociais e morais sofridos em sala de aula. Daí a importância de um movimento como esse, que tem o objetivo de reverter a onda de violência nas escolas, por meio da conscientização e apoio aos mestres, para que se sintam felizes com a carreira que escolheram. Ainda de acordo com Kazuco, “O PIB de um país não é construído por empresários, mas pelos professores, que são os maiores produtores de riquezas”.

Educação aliada à tecnologia

Uma das principais apoiadoras do evento da ACP, a Microsoft, enviou dois representantes a Curitiba, para participar da festividade alusiva ao Dia do Professor. Marinês de Assis Gomes, gerente de programas acadêmicos da empresa, falou da importância de todos aprenderem tecnologia. Segundo ela, os professores têm a missão, hoje, de educar quem já nasceu com o mouse nas mãos, por isso a Microsoft disponibilizou a todos os mestres presentes no evento um código de acesso ao portal Faculty Connection, onde eles encontrarão conteúdos para aulas, sugestões de atividades e saberão de novidades que aliam educação ao mundo digital.

O diretor da Microsoft no Brasil, Emílio Muraro, fez menção à educação mundial e disse que as inovações tecnológicas mudaram mais a realidade do mundo nos últimos 50 anos do que toda a História foi capaz de transformar em séculos. De acordo com ele, a Internet foi um dos grandes motivadores dessa revolução. “Hoje, no Brasil, 65 milhões de pessoas estão conectadas à Internet, o que equivale, por exemplo, a toda população da França. Somos atualmente a 7ª economia do mundo, mas o que nos tornará o país ainda mais competitivo não são as invenções, mas sim os investimentos na educação”, afirmou Muraro.

Concurso

Além de Gabrieli, a aluna Bruna Aoto Franco de Sima, do Colégio Dom Bosco de Curitiba, também ganhou um notebook pelo bom desempenho na redação. Ela também é aluna da 5ª série do Ensino Fundamental e declarou, em seu texto, que em alguns países como o Japão o professor é chamando de “sensei”, termo que traduzido para o português pode significar mestre ou doutor, mostrando ser uma pessoa muito conceituada e respeitada.