INDICADORES ACP

Inadimplência cresce com falta de pagamento do financiamento de veículos

Cheques sem cobertura e empréstimo do nome também aparecem com destaque

A inadimplência aumentou abril em função do percentual elevado da falta de pagamento dos financiamentos de veículos. O dado foi apontado pela amostragem da inadimplência no comércio curitibano relativa ao mês de abril, realizada pela Associação Comercial do Paraná, ao entrevistar 799 consumidores entre os dias 9 e 13 últimos.

A inadimplência continua alta entre consumidores do sexo masculino (56%), mas em abril tornou-se mais acentuada na faixa etária dos 31 a 50 anos. A explicação é que esses consumidores geralmente compram em seu nome para outras pessoas da família. “Muitas vezes o familiar não paga as prestações e, por isso, quem fez o empréstimo do nome acaba sendo registrado no SCPC”, lembra Simone Scuissato, supervisora do Departamento de Serviços da ACP, coordenadora da pesquisa.

Na série iniciada em março passado foi detectada a probabilidade de crescimento da inadimplência em abril, em função do não pagamento dos carnês de financiamento de veículos. A tendência foi confirmada por 33% dos consumidores entrevistados, que aproveitaram para adquirir o carro próprio no final do ano com recursos do 13º salário, férias e restituição do Imposto de Renda.

A coordenadora da pesquisa comentou que “quando chega a hora do pagamento do IPVA, mensalidades escolares e outras necessidades básicas, o consumidor opta por não pagar o financiamento do carro, que na maioria das vezes tem valor maior que as demais dívidas”.

Outra surpresa evidenciada na amostragem de abril foi o número de consumidores inadimplentes, cujo percentual pulou de 14% em março para os atuais 29%, devido a cheques sem fundo ou conta bancária encerrada. Esse fato se deveu, em grande medida, ao fato de  consumidores que já têm o nome registrado no SCPC por falta de pagamento do cartão de crédito, “passarem a fazer uso de cheques para novas compras”, explicou Simone.

Os entrevistados revelaram que o motivo da inadimplência foi o desemprego (30%), seguido pelo empréstimo do nome (29%) e descontrole de gastos (22%). A quitação dos débitos está no planejamento financeiro de 60% dos consumidores convencidos da necessidade de controlar os gastos, levando 54% a declarar a intenção de fazer novas compras assim que tenham saldado os compromissos vencidos.