Lojistas curitibanos tentam esquentar início de ano

Eles lançam mão de promoções e descontos especiais em época morna para o comércio. Melhora nas vendas deve ocorrer somente com a proximidade do Dia das Mães e dos Namorados

Para driblar o período de férias escolares e temporada de verão no litoral, que invariavelmente esvazia a cidade, os lojistas de Curitiba têm corrido atrás do prejuízo, ampliando o período de promoções e aumento do valor dos descontos nas mercadorias – tudo para atrair clientes. Segundo afirmam especialistas do setor, as vendas do comércio ficam mesmo mais mornas no começo do ano, em função dos gastos com viagens, impostos, matrícula e material escolar, e os resultados melhores só aparecem no final do primeiro semestre.

Em muitas cidades brasileiras, as vendas de Natal ficaram abaixo do esperado, frustrando a maioria das apostas e fazendo valer a temporada de lojas vazias, agora em janeiro. A Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL), por exemplo, previa um aumento de 8,8%, mas a alta foi de apenas 2,3%. Segundo disse o presidente da entidade, Roque Pellizzaro Júnior, ao O Estado de São Paulo, nesta quinta-feira (5), “como sobraram saldos nos estoques, os descontos de algumas redes estão bem agressivos e chegam a até 80%”.

O economista Cláudio Shimoyama, da Associação Comercial do Paraná (ACP), explica que as vendas mais fracas no início no ano devem acelerar nos meses de maio e junho, sobretudo, com a chegada das datas comemorativas como o Dia das Mães e dos Namorados. “A economia vai começar de maneira mais comedida e deve acelerar ao longo do ano”, disse ele. Em dezembro, as vendas em Curitiba cresceram 6 dos 10% esperados pela ACP, confirmando as expectativas de um Natal satisfatório para o comércio.