Para Barros, Paraná precisa de representação harmônica

Em reunião/debate realizada pelo Conselho Político da Associação Comercial do Paraná (ACP), durante um café da manhã nesta quinta-feira (16/09), o candidato ao Senado Ricardo Barros (PP) disse aos empresários que a redução no repasse de verbas federais ao Paraná é resultado de existirem poucas estruturas federais no Estado para serem mantidas e da falta de capacidade do governo estadual em aceitar essas verbas, quando liberadas.

“Eu lembro muito bem quando o então governador Roberto Requião disse que não iria aceitar os R$ 190 milhões liberados para a ampliação do cais oeste do Porto de Paranaguá”, afirmou, em resposta a questionamento feito por Jonel Chede, ex-presidente da ACP e presidente do Movimento Pró Paraná. Barros disse que, se eleito, pretende defender a federalização das universidades estaduais como uma forma de garantir um fluxo constante de verbas para o Estado.

“Mas para isso é necessário conversar com a comunidade universitária para saber de que modo esse processo poderá ocorrer”. Ele acrescentou que “é importante que o Paraná se arrume primeiro, no sentido de buscar uma representação mais harmônica do Estado junto ao governo federal”.

O próximo candidato a conversar com os empresários na ACP será Osmar Dias (PDT), que tem reunião pré-agendada para o dia 20. No dia 30, será a vez de candidatos do Partido Verde: Paulo Salamuni ao governo do Estado e Rubens Hering ao Senado. O evento é co-promovido pelo Instituto de Engenharia do Paraná e pelo Movimento Pró-Paraná.