Presidente da CUT-PR debate com Conselho Político da ACP

Ramon propõe ação conjunta e imediata contra altas taxas de juros

O presidente da Associação Comercial do Paraná (ACP), Edson José Ramon, propôs na noite de quarta-feira (23) a Roni Anderson Barbosa, presidente da CUT-PR, “a realização de um trabalho conjunto das duas instituições contra as elevadas taxas de juros, prejudiciais tanto aos trabalhadores quanto ao setor produtivo da economia”.

A proposta foi apresentada durante o debate sobre temas de interesse comum entre empresários e trabalhadores, organizado pelo Conselho Político, que discutiu com o presidente da CUT-PR temas pontuais como distribuição de renda, queda dos juros, combate à corrupção, melhoria dos serviços públicos, desoneração da folha de pagamentos e Previdência Social, entre outros.

Por três mandatos na presidência da maior central sindical do País e a quinta na América Latina, representando 1 milhão de trabalhadores no Paraná, Roni afirmou que os entraves que ainda precisam ser removidos para facilitar o desenvolvimento do sindicalismo são a unicidade, o famigerado imposto sindical e as interferências da Justiça do Trabalho.

Defendeu, entretanto, a livre negociação entre patrões e empregados, contratação coletiva e políticas públicas direcionadas ao atendimento da população. Concordou também com a proposta de desoneração da folha de pagamentos, “tendo em vista que o INSS recebe muito, mas pouco concede em troca”. Citou também o exemplo negativo do sistema bancário que mesmo obtendo lucros astronômicos, transfere uma parcela ínfima para a Previdência, “por ser um setor com reduzido número de empregados”.

O presidente da CUT-PR lembrou que a reforma previdenciária e das leis trabalhistas são necessárias, mas “não podem mexer nos direitos dos trabalhadores”, acentuando com bom humor que “se isso acontecer, como sempre dizemos, o pau vai quebrar”. Contudo, assegurou aos presentes que a orientação que prevalece atualmente na executiva da central sindical “é a participação ativa para a transformação do Brasil num país desenvolvido”.

No encerramento do debate o presidente Edson José Ramon agradeceu a presença do presidente da CUT destacando os pontos convergentes entre o setor produtivo e os trabalhadores, reiterando que “nosso diálogo deve ter prosseguimento imediato em ações concretas na luta contra as exorbitantes taxas de juros impostas pelo sistema bancário”. Para o coordenador do Conselho Político, Marco Antonio Peixoto, “o encontro serviu também para ajustar o conceito de luta contra as mazelas ainda persistentes”.