Secretaria Municipal de Trânsito detalhada aos empresários curitibanos

Criada  para substituir a Diretoria de Trânsito de Curitiba (Diretran), a Secretaria Municipal de Trânsito (Setran) iniciou suas atividades, no último dia 16 de janeiro, com um grande desafio: gerir e fiscalizar a engenharia de tráfego de uma das cidades com a maior relação de carros por habitantes do País. No intuito de conhecer melhor as atividades deste novo órgão e entender seu funcionamento, a Associação Comercial do Paraná (ACP), por meio de seu projeto Centro Vivo, recebeu o secretário responsável pela pasta, Marcelo Araújo, para uma palestra, nesta segunda-feira (5).

O coordenador do projeto Centro Vivo e vice-presidente da Casa, Jean Michel Galiano, enfatizou a importância da visita de Araújo e afirmou o compromisso da entidade em colaborar com os trabalhos da nova secretaria. “Nossa intenção não é a crítica, mas, sim, a participação. Sabemos da missão desafiadora assumida pelo secretário e queremos ajudar a agregar valores ao projeto não só a curto, mas a médio e longo prazo”, disse ele.

 Já o presidente da entidade, Edson José Ramon, reiterou a importância da pasta junto ao comércio da cidade, lembrando que o trânsito envolve muito mais do que carros, mas pedestres, transporte coletivo e estacionamentos. “São questões que mexem diretamente com o dia a dia de lojistas e consumidores”, enfatizou. Ainda segundo ele, “o encontro foi fruto de demanda as sociedade curitibana, que está ávida para conhecer as propostas da nova pasta ”.

Em sua fala, Marcelo Araújo explicou todo o processo de criação da Setran, que nasceu após decisão do Tribunal de Justiça do Paraná, julgando ilegal a aplicação de multas pela Diretran por pertencer a uma empresa de economia mista, a Urbanização de Curitiba S.A (Urbs). “Mesmo o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), em 1998, transferir aos municípios a competência para executar todas as ações de trânsito – nos limites de suas respectivas circunscrições –, o TJ-PR, questionava o poder de polícia exercido pelo órgão. No entendimento do órgão, esta tarefa compete à Administração Direta”, explicou.

De acordo com Araújo, a capital paranaense está repetindo o processo de municipalização. “O fato é que Curitiba tem a oportunidade ímpar de recomeçar algo que existe há 14 anos na cidade, que é a municipalização”, avalia. Buscando gerar o menor impacto possível com essa reestruturação, os aproximadamente 800 servidores da Diretran foram incorporados à Secretaria Municipal de Trânsito e estão trabalhando “maravilhosamente bem”, segundo Araújo. A Urbs continuará fiscalizando o transporte coletivo em Curitiba.

Falemos de futuro. Para começar, o novo secretário diz que seus principais objetivos são descobrir o que a população espera da Setran para melhorar o trânsito e encontrar meios de por em prática. De forma sucinta, ele elege os principais desafios do trânsito curitibano: Preservação da vida, da mobilidade e a inclusão de outros modais de transporte, a começar por um ponto de honra para ele, a bicicleta.