Álvaro Dias repercute no Senado manifesto da ACP

No pronunciamento desta segunda-feira (26/05), o senador Alvaro Dias cobrou a realização de uma reforma tributária ao reproduzir o apelo da Associação Comercial do Paraná que foi divulgado em vários jornais do Estado, domingo (25), Dia Nacional do Respeito ao Contribuinte. Segundo a ACP, “até a presente data, o brasileiro já pagou mais de R$ 658 bilhões em impostos. Ao mesmo tempo, os índices de violência crescem em ritmo alarmante, a educação básica está cada vez pior e a saúde pública em segue em situação deplorável. Pagamos cada vez mais impostos. E, em contrapartida, recebemos cada vez menos do poder público. Com certeza, isso não é respeito ao contribuinte”, diz a nota, assinada pelo presidente Edson José Ramon.

“Temos outros números: em 2003, os tributos representavam 36,98% de toda a renda dos cidadãos brasileiros; agora, em 2014, serão 41,37%. Se forem incluídos os gastos com convênios médicos, escola e outros serviços particulares, gastos esses feitos para compensar a ineficiência governamental em oferecer serviços de qualidade ao contribuinte, os números seriam revistos para cima. Enquanto isso, o País convive com cerca de 50 mil homicídios por ano. Segundo o censo da educação básica, do IBGE, pelo menos 3 milhões de crianças e jovens estavam fora da escola no ano passado. Nós apresentamos aqui, várias vezes, um número impressionante: o Governo brasileiro está gastando de R$28 bilhões a R$30 bilhões com a Copa do Mundo. Se aplicássemos R$25 bilhões, colocaríamos, nas escolas, todos os brasileiros de 4 a 17 anos que estão fora delas. Portanto, essa inversão de prioridade, sem dúvida, provoca um impacto grande na cabeça das pessoas lúcidas deste país. O que nós gostaríamos é que o Governo reconhecesse também a necessidade da reforma tributária, a reforma do sistema federativo. Nós tivemos promessas contundentes durante a última campanha para a presidência da República. Entre essas promessas, a da reforma tributária certamente prevalecia como prioridade indiscutível. No entanto, essa promessa foi esquecida”, disse o senador.

Fonte: Senado Federal