Sérgio Moro recebe Comenda Barão do Serro Azul

Durante cerimônia realizada na noite desta segunda (19), no Graciosa Country Club, o coordenador da Operação Lava Jato, o juiz federal Sérgio Moro, recebeu a maior honraria concedia anualmente pela ACP – a Comenda Barão do Serro Azul. A data coincidiu com o aniversário de 125 anos da Justiça Federal no Brasil, mesmo tempo de existência que a ACP completou em 2015.

A Operação Lava Jato, conduzida por um grupo de policiais federais, procuradores da República e juízes federais, dentre os quais se destaca Sérgio Moro, desvendou aos olhos da Nação o maior esquema de desvio de dinheiro público da história da República.

Por outro lado, despertou na consciência cívica dos brasileiros o sentimento de salvaguarda dos ideais que norteiam a Constituição Cidadã, reavivando também a esperança de que a Ordem, a Moralidade e o Direito devem prevalecer sobre a delinquência.

“A Operação Lava Jato é um sistema nervoso que vibra”, disse o presidente da ACP, Antônio Miguel Espolador Neto. “Assim sendo, a homenagem desta noite é da mais inteira legitimidade, tendo em vista que Moro encarna, neste triste momento vivido pelo Brasil, o cidadão consciente de suas responsabilidades, que tem a fibra e a coragem típica de paranaenses especiais, como foi a seu tempo, no final do século 19, o Barão do Serro Azul, que não mediu consequências para fazer o correto e o necessário para proteger a sociedade”, justificou Espolador.

Agradecimento

Moro, ao receber a Comenda Barão do Serro Azul, fez questão de destacar o trabalho em conjunto desenvolvido pela força-tarefa atuante na Lava Jato, “por isso não se deve conceder excesso de personalismo  a minha pessoa como única merecedora desta honraria”, destacou. “Receber um prêmio como este, oferecido por uma associação de empresários num momento em que, no âmbito desta investigação, existe uma parcela de pessoas processadas do meio empresarial, deixa-me feliz porque revela, de forma muito segura, a percepção que eu já tinha anteriormente – a de que o empresariado nacional não compactua com a prática da corrupção no âmbito dos negócios, que é possível jogar limpo e que esta é uma aspiração também do nosso empresariado”, comemorou Moro.

“Por outro lado, fico feliz com o recebimento desta comenda porque isso reflete o reconhecimento da comunidade em relação ao trabalho institucional – trabalho inacabado e não se sabe quando termina. Não sou político, por isso não posso fazer promessas, o papel do juiz é julgar segundo a lei, os fatos e as provas. Mas acredito que há motivos para ter fé no futuro” finalizou.

O presidente do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ), Paulo Roberto Vasconcelos, pronunciou-se ao final da solenidade dizendo que Moro pratica legalidade de forma correta, evidenciando assim a moralidade através de suas atitudes, o que, para Vasconcelos,  “proporciona o exemplo para um reflexão sobre o comportamento de todos os cidadãos na sociedade”.