Comércio fecha as portas em protesto contra a crise político-econômica

Mais de mil lojistas de Curitiba e região metropolitana fecharam as portas de seus estabelecimentos comerciais durante meia hora nesta quarta (13), aderindo ao movimento “O Paraná diz basta”. O ato cívico realizado em frente à sede da Associação Comercial do Paraná (ACP) e liderado pela entidade foi um protesto simbólico contra a corrupção, o aumento de impostos, a volta da inflação, os juros abusivos e pela retomada pelo crescimento econômico do país, segundo o presidente da ACP, Antonio Miguel Espolador Neto.

De acordo com Espolador, a paralisação demonstrou “a insatisfação do empresariado como um todo e também dos empregados, que estão sofrendo com o fechamento das empresas e com o desemprego no país”. O presidente disse também que, através do ato cívico, a ACP e entidades apoiadoras “exigem respostas das instituições em defesa da democracia, liberdade e paz social”.

Para o presidente da Fiep, Edson Campagnollo, “esta é mais uma demonstração da insatisfação da sociedade com tudo o que está acontecendo de ruim no país, na economia, na política, na corrupção. Hoje o comércio dá essa demonstração, mas é um sentimento de boa parte da população”. Disse ainda que “neste momento, o Brasil precisa ser passado a limpo, por isso estaremos em vigília no próximo domingo, esperando que o desfecho do processo de impeachment seja aquele esperado pela sociedade e que o Brasil volte a avançar.”

Falaram também em nome das demais entidades apoiadoras, os presidentes do IDL, Edson Ramon, do Movimento Pró-Paraná, Marcos Domakoski, o presidente da Faciap, Guido Bresolin, e os representantes do Sinduscon, José Eugênio, Nelson Gomes do IEP, Paulo César Naiuack da Fecomércio, além da coordenadora do movimento “Mais Brasil, eu acredito!”, Rafaela Pilagallo. Participou também da manifestação o vereador Chico do Uberaba (PMN).

Na Rua XV de Novembro, onde o movimento esteve concentrado, cerca de 300 estabelecimentos comerciais mantiveram suas portas fechadas das 17h às 17h30. Durante o período, aproximadamente 800 pessoas, entre representantes de entidades do setor produtivo paranaense, empresários, integrantes do movimento “Mais Brasil, eu acredito!” e funcionários das lojas fizeram um apitaço, carregando faixas e bandeiras do Brasil, em caminhada até a Boca Maldita. Antes da passeata, os manifestantes cantaram o Hino Nacional.

De acordo com o presidente da ACP, Antonio Miguel Espolador Neto, a paralisação demonstrou “a insatisfação do empresariado como um todo e também dos funcionários, que estão sofrendo com o fechamento das empresas e com o desemprego no país”. O presidente disse também que, através do ato cívico, a ACP e entidades apoiadoras “exigem respostas das instituições em defesa da democracia, liberdade e paz social”. As entidades apoiadoras que participaram da passeata foram a Fiep, Faep, Fecomércio, Sinduscon, Faciap, Fetranspar, Aciap, IDL, Movimento Pró-Paraná, SESCAP PR, Fehospar, Movimento Mais Brasil, Eu Acredito e Fecopar.