Comércio tem queda nas vendas de janeiro

Pesquisa apontou apesar da queda nas vendas, que comerciantes estão otimistas com as vendas de fevereiro

De acordo com sondagem conjuntural do comércio de Curitiba, realizada pelo Instituto Datacenso para a Associação Comercial do Paraná (ACP), houve queda de 13% nas vendas de janeiro em relação ao movimento de vendas efetuadas no mês de dezembro. Em comparação com o mesmo período de 2013, o volume de vendas de janeiro apresentou queda de 3%. No início do ano passado a economia estava favorável, com baixa da taxa de juros, menor inflação e nível de inadimplência inferior. Já a situação de 2014 é inversa. Entretanto, a pesquisa mostrou que o comerciante está otimista em relação ao desempenho das vendas do mês de fevereiro, prevendo um crescimento médio de 3%.

Férias, pagamentos de impostos e endividamento com as festas de fim de ano são fatores que contribuíram para a queda nas vendas em janeiro. A taxa de inadimplência ficou em 7%, com crescimento de 2 pontos percentuais em relação ao mês anterior, acarretando o aumento de 40% da inadimplência e forçando o consumidor a utilizar o cartão de crédito – a prazo- como forma de pagamento. O valor monetário das compras também registrou queda, tendo em vista quye  em dezembro o gasto médio fora de R$ 371, caindo para R$ 275 em janeiro. Os únicos itens com crescimento nas vendas no primeiro mês do ano foram móveis e eletrônicos, devido às promoções típicas de início de ano.

O economista Cláudio Shimoyama, diretor do Instituto Datacenso, explica que além da queda dos valores e das vendas, o mês apresentou também o aumento de 15% de demissões, que na ocasião são justificados pela queda nas vendas e contratos temporários de mão de obra. Shimoyama ressalta que o consumidor curitibano está menos satisfeito com o atendimento pessimista quanto ao consumo e, que esse momento de crise se deve à atual situação financeira do consumidor decorrente do endividamento, juros altos e aumento da inflação, que diminui seu poder de compra.

Os pesquisadores entrevistaram 200 comerciantes (micro, pequeno, médio e grande) e 200 consumidores com renda familiar mensal entre R$ 1.245 a R$ 6.220, entre os dias 3 e 6 desse mês.

http://www.datacenso.com.br/ver.php?id=106