ACP | Associação Comercial do Paraná

Conselho de Segurança da ACP homenageia FAS, da prefeitura de Curitiba

O Conselho de Segurança da Associação Comercial do Paraná prestou homenagem à FAS (Fundação de Ação Social) na reunião do mês de setembro. Os destaques especiais da homenagem foram a primeira-dama de Curitiba, Margarita Sansone, que não pode comparecer e foi representada pela presidente da Fundação Cultural, Ana Cristina de Castro, e a diretora de Atenção à População de Rua, Maria Alice Erthal.

O vice-presidente Camilo Turmina fez a saudação de abertura da reunião, destacando que “ainda atravessamos um período de turbulência social e que não está sendo cumprida a lei de internação involuntária para dependentes químicos”. O coordenador do Conselho de Segurança da ACP, Acef Said, destacou o trabalho da Comunidade Emaús, que ajuda dependentes químicos a abandonarem o vício, basicamente com atuação de voluntários. A instituição realizará um almoço para arrecadação de fundos, no Restaurante Dom Antônio, no dia 10 de outubro, com o custo de R$ 50,00 por pessoa. Said destacou que o Emaús consegue recuperar para a sociedade entre 60 e 65% das pessoas que passam por lá. Em seguida, a diretora da FAS, Maria Alice Erthal, falou sobre as diversas ações desenvolvidas na instituição para atender as situações de vulnerabilidade social, como o Resgate Social; a Abordagem Social e o Expresso Solidariedade. Maria Alice falou que 90% das pessoas que passam pelos programas da FAS têm problemas com drogas e que graças ao trabalho desenvolvido, em 2019, não houve nenhuma morte por hipotermia entre os moradores de rua de Curitiba. Durante o inverno, foram feitos 54 mil atendimentos, 300 pessoas voltaram para o convívio familiar e 1.200 voltaram para suas cidades de origem.

O diretor de Apoio Logístico da Polícia Militar, coronel Carlos Eduardo Rodrigues Assunção, falou sobre a queda da criminalidade em Curitiba, que chega a 40%, mas destaca que a queda só é possível graças ao trabalho da ação conjunta da PM, Guarda Municipal e Polícia Civil. “Se a população apoia o trabalho policial, a polícia atua com mais eficiência e os resultados aparecem. A queda da criminalidade não é mérito só das forças de segurança, mas também da sociedade civil organizada”, falou o coronel.

No final da reunião, o Conselho de Segurança entregou placas à primeira-dama Margarita Sansone, que fundou a FAS em 1993, representada pela presidente da Fundação Cultural de Curitiba, Ana Cristina de Castro e para a diretora de Atenção à População de Rua, Maria Alice Erthal.