ACP | Associação Comercial do Paraná

Diretor de estudos do IBPT fala sobre governança tributária

Gastômetro será o próximo serviço oferecido ao mercado pela instituição

 O advogado tributarista Gilberto Luiz do Amaral, presidente do Conselho Superior e coordenador de estudos do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), participou nessa segunda-feira (16) da reunião almoço do Conselho de Tributação e Finanças da Associação Comercial do Paraná (ACP), durante a qual expôs aspectos da atuação do IBPT e da importância da análise de dados fiscais como ferramenta para a melhoria do desempenho empresarial.

Amaral sublinhou que atualmente “essas informações são utilizadas apenas pelo Fisco, mas deveriam ser mais amplamente consideradas pelas próprias empresas, que poderiam valer-se desse material para melhorar seu desempenho nos negócios”.

Saudado pelo vice-presidente Airton Hack, coordenador do Conselho de Tributação e Finanças, Amaral aproveitou para anunciar e convidar os participantes para o II Congresso Brasileiro de Governança Tributária, que o IBPT realizará em Curitiba, com o apoio da ACP, nos dias 21 e 22 de novembro próximo, no Centro de Eventos da Fiep.

A reunião foi prestigiada por inúmeros convidados, dentre os quais os vices-presidentes Monroe Olsen, Camilo Turmina, Henrique Domakoski e Jandira Scussel, João Eloi Olenike, presidente do IBPT, além de representantes da Secretaria Estadual da Fazenda, Receita Federal e Estadual, contabilistas e empresários.

Gastômetro

Há 21 anos atuando em defesa da conscientização tributária da população, mediante congressos, cursos, conferências e outras formas de elucidar a questão tributária, o IBPT tem escritório em Londrina e, a partir de novembro, estará presente também em São Paulo, segundo Amaral, que discorreu sobre os principais serviços prestados pela instituição, especialmente o impostômetro, “hoje uma referência internacional”, projeto desenvolvido em cooperação com as associações comerciais de São Paulo e Paraná.

A ACP instalou um impostômetro na fachada de sua sede, a fim de mostrar aos contribuintes – segundo a segundo – a marcha da arrecadação de impostos e tributos municipais, estaduais e federais.     

Amaral falou também do empresômetro (que mede gastos empresariais) e do próximo serviço a ser oferecido à sociedade, o gastômetro, pelo qual se poderá medir a escalada dos gastos governamentais nos três níveis da administração pública.

Transparência

Já está em funcionamento a transparência do tributo em notas e cupons fiscais, uma proposta formulada pelo IBPT transformada em lei, mesmo que os empresários tenham prazo até julho do próximo ano para se adaptarem às novas exigências.

“Atualmente temos cerca de 1,4 milhão de estabelecimentos comerciais fornecendo notas ou cupons fiscais revelando a média da tributação paga pelo consumidor, de um universo de 11 milhões que têm a obrigatoriedade”, comentou.

O diretor de estudo do IBPT citou também o projeto De Olho no Imposto, realizado com o apoio de mais de cem instituições do cenário empresarial de todo o País, incluindo o Conselho de Jovens Empresários da ACP.