ACP | Associação Comercial do Paraná

Fórum debate custo elevado da energia elétrica

Com a moderação a cargo do ex-deputado federal e ex-presidente da Compagás, Luciano Pizzatto, o presidente Antonio Miguel Espolador Neto, da Associação Comercial do Paraná (ACP), foi um dos três debatedores da primeira mesa organizada pelo do fórum “O Paraná frente à situação energética nacional” nessa segunda-feira (22), no auditório da Faculdade de Educação Superior do Paraná (Fesp).

Participaram ainda como debatedores Jorge Miguel Samek, diretor geral de Itaipu Binacional e Ramiro Warthafig, assessor de projetos especiais da Casa Civil do Governo do Estado, substituindo o secretário Eduardo Sciarra por motivo de viagem a Brasília.

O presidente da ACP abriu a rodada afirmando que “o elevado custo da energia elétrica tanto no uso empresarial quanto residencial decorre da série de erros cometidos pelos governos e da falta de planejamento dos últimos anos. Foram esses equívocos que encareceram as tarifas de energia especialmente no Paraná, que apesar de ser o maior produtor brasileiro de energia elétrica “é o que cobra as tarifas mais elevadas pelo insumo”.

Espolador informou com base em dados coletados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que a alta das tarifas de energia elétrica causou grande impacto sobre a maioria dos preços cobrados pelo comércio e serviços. “Os empresários não têm alternativa senão repassar os custos para o consumidor. Ou repassam ou vão à falência”, concluiu.

O professor Ramiro Warthafig discorreu sobre o potencial paranaense e projetos de investimento do governo e iniciativa privada em fontes alternativas de produção de energia, como biomassa, solar, eólica e outras.

Por sua vez, o diretor geral de Itaipu confirmou que a elevação dos custos da energia, “uma conta paga por sua excelência, o consumidor, é resultante do ano de 2014 em que a falta de chuva em quase todas as regiões praticamente secou os maiores reservatórios destinados à produção de energia hidráulica”.  

Samek disse, ainda, que a queda da produção hidráulica foi compensada pela ligação das usinas térmicas abastecidas com carvão ou óleo combustível, cuja produção tem custos muito mais altos que foram repassados para as tarifas. “Tudo voltará ao normal com a gradativa recuperação do nível ideal dos reservatórios, como está acontecendo esse ano levando ao desligamento das térmicas. Então, as tarifas vão cair”.

O evento é patrocinado por Itaipu Binacional e Copel, devendo prosseguir até quarta-feira (24) sempre no mesmo horário, com representantes do setor de produção e distribuição de energia elétrica e entidades do setor produtivo.

Na rodada dessa terça-feira (23) os debatedores recepcionados pelo moderador Luciano Pizzatto serão Erlon Caramuru Tomasi, diretor da Uega, Cícero Bley Junior, superintendente de Energias Renováveis da Itaipu Binacional e Augusto Salomon, presidente executivo da Abegás. No encerramento os debatedores serão Edson Luiz Campagnolo, presidente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Vlademir Santo Daleffe, presidente da Copel Distribuição e um representante da Itaipu Binacional.