Ministro Néfi Cordeiro recebe Cidadania ACP

Compromisso de tornar a Justiça mais rápida foi renovado por magistrado federal

“Renovo aqui todos os compromissos de fazer o melhor pela agilização e acesso à Justiça, a fim de atender os anseios da população”. Com essas palavras o ministro Néfi Cordeiro, nomeado para o Superior Tribunal de Justiça (STJ) em 2014, resumiu o agradecimento pelo título Cidadania ACP recebido nessa segunda-feira (29), em almoço com a participação de juízes federais, integrantes do Ministério Público, políticos, autoridades, advogados e grande número de convidados.

O título foi proposto pelo Conselho Político da ACP, coordenado pelo vice-presidente Sinval Lobato Machado, atendendo à sugestão apresentada pelo juiz federal Anderson Furlan, presidente da Associação Paranaense dos Juízes Federais (Apajufe), que ao saudar o homenageado lembrou o esforço feito por vários segmentos da sociedade paranaense pela nomeação do desembargador federal Néfi Cordeiro para o STJ.

O presidente Antonio Miguel Espolador Neto congratulou o ministro Néfi Cordeiro, nomeado para a função pela presidente Dilma Rousseff, formulando votos pela continuidade “de uma brilhante carreira na magistratura com passagens pelo Ministério Público e Justiça Federal”.

Terceira lista

Furlan historiou a carreira do ministro, citando as inúmeras vezes em que o mesmo tirou o primeiro lugar ainda nos tempos da Faculdade de Direito de Curitiba e, mais tarde, nos cursos e concursos públicos dos quais participou, sublinhando que “a nomeação para o STJ veio somente na terceira lista tríplice submetida à presidência da República”.

O presidente da Apajufe destacou que a nomeação “foi uma vitória da sociedade organizada, destacando o envolvimento da ACP, Pró-Paraná, OAB/PR, Instituto dos Advogados do Paraná, da então ministra Gleisi Hoffmann e do senador Sérgio Souza, entre tantos outros que assumiram a causa da nomeação de Néfi Cordeiro”.

Ao agradecer o título, o ministro integrante da instituição também conhecida como “tribunal da cidadania” interpretou sua chegada ao STJ como “uma causa do Paraná”, assim como “a possibilidade de melhor representar os interesses jurisdicionais e mesmo políticos da comunidade”.

Processo é vida

Cordeiro fez questão de agradecer a cada uma das entidades que se empenharam por sua nomeação, informando que ao receber o gabinete que lhe foi confiado se deparou “com 12 mil processos, alguns milhares com até 10 anos de espera por alguma solução, dos quais oito mil ainda estão na fila”. Ele disse também que seu gabinete recebe a média diária de 40 pedidos de habeas corpus “dos quais, no mínimo, dependem duas vidas e, por isso, requerem decisões adequadas e rápidas, mesmo porque processo não é número, mas vida”.

No final do pronunciamento o ministro Néfi Cordeiro renovou o compromisso de trabalhar “por uma justiça melhor e mais rápida em favor da paz social”, dizendo estar às ordens em Brasília: “Meu gabinete está sempre de portas abertas e o cafezinho e a vista do Paranoá à disposição de todos”.

Além dos ex-presidentes Jonel Chede, Virgílio Moreira e Edson José Ramon, vice-presidentes e conselheiros da ACP, participaram também da homenagem o desembargador Jucimar Novochadlo, presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PR), ex-governador Orlando Pessuti, deputado estadual Hussein Bakri,José Lúcio Glomb, presidente do Instituto dos Advogados do Paraná, Frederico Mendes Junior, presidente da Amapar, desembargador federal Fernando Quadros e o juiz federal Nicolau Konkel Junior.