ACP | Associação Comercial do Paraná

Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas

A convite do Instituto Mundo do Trabalho, entidade do terceiro setor que propõe mudanças de postura e sinergia entre os atores das relações trabalhistas, presidida pelo advogado Célio Pereira de Oliveira Neto, o ministro Pedro Paulo Teixeira Manus, do Tribunal Superior do Trabalho (TST), fez nessa quinta-feira (6) uma abordagem sobre o Projeto de Lei que dispõe sobre a Reforma Trabalhista em tramitação no Congresso Nacional.

O evento contou com a colaboração do Conselho de Relações Trabalhistas da Associação Comercial do Paraná (ACP), cujo presidente Gláucio Geara fez a abertura e a saudação aos presentes que lotaram o principal auditório da instituição.

O ministro começou na carreira como servidor do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, em São Paulo, como chefe de gabinete da presidência, oficial de Justiça e assessor de juiz. Em 1980 foi nomeado juiz do Trabalho, ganhando uma cadeira de titular na segunda instância 12 anos depois, na qual foi corregedor auxiliar e vice-presidente.

Um dos pioneiros no manejo mais criativo da Justiça do Trabalho, desde a função de magistrado em São Paulo, Manus contribuiu para que muitas greves fossem evitadas ou interrompidas, conforme explicou à revista ConJur: “A técnica dá trabalho, mas funciona: em vez de impor a letra fria da lei ou a vontade inquestionável da jurisprudência, o juiz induz a que o trabalhador e quem o emprega cheguem a um acordo inteligente”.

Ao se referir à Reforma Trabalhista em debate no Congresso e, a rigor, um tema que desperta o interesse dos milhões de trabalhadores e empresários, o ministro argumentou que uma das mudanças que defende “é que a CLT faça distinção entre trabalhadores que por natureza são mais bem informados, como professores universitários e executivos, e os que pela falta de melhor instrução precisam realmente da proteção da lei”.

Reiterando que a legislação trabalhista nasceu para regular as relações entre empregadores e empregados e, “por esse motivo acabou gerando formas conflitantes”, o ministro salientou que o interesse comum da reforma “é a preservação da empresa que é também um direito do trabalhador”.

Afirmou que toda a mudança na legislação deve ser feita sem prejuízo à função do prestador de serviço, lembrando o fato de que o Brasil tem atualmente 13 milhões de desempregados, ou seja, três milhões a mais de pessoas do que a “população inteira de Portugal, onde vivem 10 milhões de pessoas”. Ele advertiu que isso coloca em sério risco a competitividade da produção nacional diante da China, por exemplo, que tem população superior a 1 bilhão de pessoas e já coloca sua produção industrial e interesses econômico-financeiros na maioria dos países do mundo.

Manus tem repetido em suas intervenções na própria magistratura e na cátedra – é professor de Direito na PUC/SP — que “a função principal do Tribunal Superior de Trabalho, como do STJ e do Supremo Tribunal Federal é uniformizar entendimentos para balizar o comportamento de empresas, sindicatos, empregados, tribunais e juízes”.

Em conclusão, afirmou que “a busca de conciliação” deve constituir a palavra de ordem do juiz que depois de “sopesar os valores a garantia é do trabalhador”, tendo em vista que “o Direito do Trabalho é protecionista, e isso não é nenhum demérito, é uma característica positiva”.

Após a conferência do ministro Pedro Paulo Manus, os advogados Célio Pereira de Oliveira Neto e Affonso Dallegrave Neto comentaram o Projeto de Lei 6787, seguindo-se um período destinado às perguntas dos participantes.

 

 

 

 

 

 

Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas
Ministro Pedro Paulo Manus, do TST, diz que reforma trabalhista deve preservar as empresas