Novembro foi mais um mês ruim para o comércio

Expectativa é que as vendas melhorem com a aproximação do Natal

O volume de vendas do comércio curitibano no mês de novembro registrou o crescimento de 1% em relação a outubro, mas alimenta a expectativa de crescer 5% em dezembro com a motivação do Natal, com relação ao mês anterior. Os índices foram revelados pela sondagem ACP/Datacenso realizada entre os dias 1 a 3 desse mês mediante entrevistas com 200 comerciantes e 200 consumidores. No acumulado do ano o resultado das vendas do comércio apresentou o índice de 4% de crescimento negativo.

O índice de crescimento médio apurado em novembro pelo Instituto Datacenso, comparado ao do mesmo período do ano passado foi zero, ou seja, não houve queda nem crescimento, segundo o economista Cláudio Shimoyama, responsável técnico pela pesquisa.

A maioria dos comerciantes (84%) espera que o volume de vendas de dezembro supere novembro e o consumidor volte a comprar motivado pelo Natal, além do fato de que dezembro historicamente sempre foi o melhor mês de vendas para o comércio varejista, justificando assim a expectativa favorável.

Dezembro será melhor

A estimativa do comércio para o último mês do ano é o crescimento de 5% em relação a novembro (em 2013 a estimativa era de 8%), sendo a melhora do movimento atrelada ao recebimento do 13º salário, lançamento de novas coleções de primavera/verão, promoções, descontos especiais e, obviamente, o hábito de presentear no Natal.

Em novembro o volume de vendas a prazo abrangeu 49% dos consumidores, sendo que 22% preferiram o pagamento à vista. A principal forma de pagamento foi o cartão de crédito (72%), percentual que apresentou crescimento em relação a outubro (66%).

Black Friday ajudou comércio

A promoção de vendas Black Friday contribuiu para o aumento de vendas em novembro, assim como o início da procura por presentes que deve crescer até a chegada do Natal.

Em termos gerais, para maior número de comerciantes curitibanos o fechamento do ano de 2014 será pior em comparação a 2013, e o resultado ruim foi atribuído ao baixo desempenho da economia, alta da inflação, juros e endividamento, além da frustração da expectativa criada com a realização da Copa do Mundo.

Pensando no exercício de 2015, cerca de 50% dos comerciantes entrevistados pelo Instituto Datacenso mostram-se preocupados com seus negócios no próximo ano, ao contrário do ano passado quando 49% deles se declaravam entusiasmados com o resultado que acabou não acontecendo.