Projeto Boa Compra aprovado por maioria absoluta

Participantes querem repetição da iniciativa em 2014

A Associação Comercial do Paraná (ACP) com a colaboração do Procon-PR, realizou no ano passado o projeto Boa Compra, tendo em vista o aumento significativo do número de reclamações junto aos órgãos de defesa do consumidor, especialmente o Procon. A iniciativa teve como objetivo “a promoção de ações informativas quanto aos direitos e deveres inerentes às relações de consumo saudáveis”, segundo Elisa Schmidlin Cruz, gestora responsável pelo projeto.

Foram realizados entre agosto e novembro, cinco encontros com a participação de 320 representantes de 60 estabelecimentos comerciais ou prestadores de serviços, com a média de assistência de 65 pessoas por reunião. As exposições foram conduzidas pela diretora do Procon-PR, Cláudia Silvano, que também respondeu a inúmeras perguntas formuladas pelos participantes.

“A ideia básica foi proporcionar aos associados a oportunidade de acesso às informações e orientações sobre direitos do consumidor constantes da legislação específica”, explicou Elisa. Por sua vez, Cláudia Silvano, esclareceu mediante exemplos práticos dos processos protocolados na entidade questões relevantes e recorrentes no cotidiano das relações de consumo.

As empresas participantes de três dos cinco encontros mensais receberam um certificado emitido pela ACP e Procon-PR, em reconhecimento do interesse demonstrado pelo melhor atendimento dos direitos dos consumidores. Os recebedores do selo foram os seguintes: ABC Brinquedos, Andaraki Calçados, Aquelino Masiero Calçados, Barigui Veículos, Candinha Roupas, Credipar, E Contabilista, Galvão Imobiliária, Happy Walk, Ipumirim Materiais de Construção, Joalheria Boyko, Logpar Fomento, Loja Joelma, Lojas Coppel, Lojas Emanuelle, Lua Nova, Microcamp, Modelle Skin Modeladores, Multiloja, Newpolish, Nichele Materiais de Construção, Pet Cursos, Pise Bem Calçados, Ravelli Modas, Reabilite Crédito, Senff e Squalle.

Pesquisa direta realizada com representantes das empresas integradas ao evento e que concordaram em responder ao questionário (82%), a totalidade considerou o  projeto interessante, aprovando a continuidade da iniciativa em 2014. Apenas 2% argumentaram que deveria haver mais tempo para debater questões tão importantes como o Código de Defesa do Consumidor, embora a maioria absoluta (73%) tenha se declarado plenamente satisfeita com o modelo adotado.