Seminário discute abrangência da advocacia corporativa

O presidente Antonio Miguel Espolador Neto, da Associação Comercial do Paraná (ACP), fez nessa quarta-feira (9) a abertura do VII Seminário da Advocacia Corporativa, evento promovido pela entidade e parceiros com interveniência do Conselho Tributário e Câmara Setorial de Trabalho e Previdência, coordenados respectivamente pelo vice-presidente Airton Hack e advogado Rodrigo Fortunato Goulart.

O evento propriamente dito é uma iniciativa do Grupo de Advogados Corporativos do Paraná e contou também com a colaboração do Instituto de Estudos em Gestão Empresarial (IEGE). O patrocínio da iniciativa foi garantido pelos grupos Bernhoeft, Amarribo Brasil, CapeJudi e Juruá Editora.

O presidente da ACP destacou a importância do seminário, que chegou “à sua sétima edição, tendo em vista o grande interesse despertado nos empresários, cada vez mais preocupados com os marcos regulatórios incidentes sobre o ambiente de negócios”.

Espolador fez questão de saudar o presidente do Instituto dos Advogados do Paraná (IAP), conselheiro federal da OAB e ex-presidente da seccional paranaense da OAB, José Lúcio Glomb, um dos convidados especiais, que enalteceu o interesse da ACP na viabilização de oportunidades “para incrementar o debate das questões jurídicas que dizem respeito às diversas áreas do setor produtivo”.

Glomb lembrou a campanha “Paraná que queremos”, realizada há alguns anos pela OAB e outras entidades da sociedade organizada, a fim de reivindicar mudanças radicais na gestão pública, salientando que “a ACP foi uma das primeiras a atender o chamamento em prol da ética e transparência na gestão pública”.

Sobre o seminário, o conhecido advogado trabalhista enfatizou ser “imprescindível para o empresário contar com os serviços profissionais de um advogado corporativo nas áreas do Direito Civil, Ambiental, Tributário,Trabalhista, Compliance e tantos outros”.

O diretor de gestão da JMalucelli Investimentos, economista Marc Sauerman, foi o primeiro painelista a se apresentar no período da manhã (o seminário vai até o final da tarde), discorrendo sobre o tema “Perspectivas econômicas”, com ampla abordagem sobre a economia brasileira e os impactos presentes e futuros em função da conjuntura internacional.

Marc fez uma rápida explanação sobre a eleição de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos, cujo resultado foi conhecido durante a madrugada, lembrando que é muito cedo para quaisquer análises consequentes, embora afirmasse “que os negócios mundiais, incluindo o Brasil, devem sofrer impactos a longo prazo a partir das medidas sobre política econômica adotadas pelo presidente norte-americano, a partir de janeiro do próximo ano”.

Disse, ainda, que os primeiros sinais da recuperação da economia brasileira já começaram a aparecer, “indicando que o pior já passou, embora sejam insuficientes para garantir que a crise está superada”.

Sauerman, entretanto, acredita que a equipe econômica do governo Michel Temer está tomando as medidas indicadas para a resolução dos principais problemas da economia, a exemplo da política de juros, controle da inflação, gastos públicos e dívida interna, por exemplo.

Arthur Mendes Lobo, professor de Direito Aplicado à Contabilidade, da Universidade Federal do Paraná (UFPR), discorreu sobre “Operações sujeitas e não sujeitas aos efeitos da Recuperação Judicial”, sendo a primeira etapa do seminário concluída pela  procuradora-chefe do Banco Central, Liliane Maria Busato Batista, com a conferência “Mudando a cultura de sua empresa com o e-Social”.