Sondagem mostra que aposentados não têm dívidas vencidas

Pesquisadores foram a campo no último dia 25 de agosto para realizar a sondagem ACP/Datacenso sobre a situação dos aposentados residentes em Curitiba, ouvindo 200 pessoas divididas por gênero (54% homens e 46% mulheres). A faixa etária predominante (54%) está entre os 65 anos a 75 anos, embora 24% dos entrevistados tenham revelado idade entre 76 anos e 85 anos.

A amostragem revelou que para 63% dos aposentados a finalidade básica do 13º salário será o custeio das despesas correntes da casa (água, luz, telefone e outras), o mesmo percentual registrado na pesquisa de 2013. Para 26% deles, entretanto, a parcela mais expressiva do salário extra será reservada para a compra de remédios de uso contínuo, ao passo que apenas 3% usarão parte desse dinheiro para pagar planos de saúde.

Um aspecto favorável para os aposentados é que 93% deles não estão pressionados por dívidas vencidas, e 66% não têm a renda comprometida com o pagamento de empréstimos financeiros ou consignados. Contudo, uma expressiva fatia de 34% tem esse tipo de compromisso financeiro, verificando-se o crescimento desse índice que no ano passado fechou em 29%.

A renda familiar mensal do aposentado curitibano com maior incidência nas respostas (70%) varia de R$ 724,01 a R$ 1.448, num universo em que apenas 4% ganham de R$ 3.620 a R$ 7.240 mensais. Em torno de 55% dos aposentados são casados, 46% completaram o ensino fundamental, 19% o ensino médio e 15% o ensino superior. O dado negativo é que 20% se revelaram analfabetos.

Além das compras gerais da casa, destino que a maioria absoluta dará ao dinheiro do 13º salário, 46% responderam que pretendem pagar dívidas, 29% devem aplicar uma parte na poupança, 18% gastar com viagens e 6% na aquisição de bens duráveis. A sondagem também descobriu que 75% dos aposentados somente vão ao banco quando estão acompanhados por pessoa de confiança, porque de cada grupo de dez dois já sofreram assaltos.