Ultramaratonista fala sobre motivação

Como último palestrante do workshop “Mercado de Crédito, Cenário e Tendências”, realizado em conjunto pela ACB e Boa Vista Serviços, na última sexta-feira (16), em Curitiba, o ultramaratonista Raphael Bonatto encerrou o evento com uma injeção de ânimo e motivação aos participantes. No discurso congruente que traça uma linha entre sua trajetória de sucesso no esporte e os desafios enfrentados por empresários nos negócios, conhecimentos cruciais para enfrentar desafios sejam eles de quaisquer natureza, estiveram em destaque: criar metas, ser persistente, ter coragem, disciplina e, acima de tudo, planejamento.

O atleta, que iniciou sua carreira aos sete anos de idade, hoje encara corridas com mais de 42.195 metros com provas de até 48 horas ininterruptas – as ultramaratonas – modalidade que exige até um ano de preparação, planejamento e treinamento, além de exigir do próprio atleta força de vontade para conseguir patrocínios, uma dificuldade em dobro para esporte ainda pouco conhecido no Brasil. “Eu mesmo monto meus projetos de patrocínio, pois foi assim que aprendi e tenho aperfeiçoado a melhor forma de vender minha imagem”, disse. 

Família humilde

Nascido numa família humilde na capital paranaense, Bonatto galgou sua trajetória a pequenos passos, mesmo desacreditado no início da carreira. Assim formou-se em educação física e obteve uma bolsa de estudos em fisiologia do esporte na Universidade de Pittsburg (EUA). “No esporte e nos negócios, vence quem tem mais atitude”, destacou.

Para ele, o segredo é “ter visão”. O jargão dos negócios é emprestado para explicar a necessidade que se tem em alternar meios e caminhos para alcançar um objetivo e persuadir sua equipe a fazer o mesmo. “Estar próximo a pessoas de sucesso, seja ele pessoal ou profissional, cria um ambiente propício e de incentivo ao próprio crescimento. Afaste-se de pessoas negativas e confie no seu potencial”, é categórico.

Dentre palavras imperativas que instigaram os participantes a buscar sempre mais, também houve espaço para algo presente no imaginário de crianças e adultos: ter um sonho e acreditar nele. De acordo com o atleta, deve-se ter objetivos pessoais ambiciosos que exigem permanente desenvolvimento de talentos. Mas é preciso atenção porque os objetivos devem ser reais e colocados no “papel”, sendo este apenas o primeiro passo para concretizá-los.

Vitórias pessoais

O grande número de vitórias colecionadas ao longo da carreira de Raphael garantiram a ele o registro no Livro dos Recordes. Um de seus feitos foi completar, em 2010, 27 maratonas consecutivas em 27 dias nas 27 capitais brasileiras. Com tamanha força de vontade, chega a participar de 30 maratonas pelo mundo anualmente, sempre travando uma batalha sobre si e seus adversários – acarretando a perda de até cinco quilos por prova, o que acabou lhe ensinando a comer ao longo da corrida, sem que isso acarretasse problemas digestivos.

No Paraná,  concluiu o desafio de correr desde as Cataratas do Iguaçu a Curitiba. O trecho percorrido era de 100 quilômetros por dia, cumprido das 7h às 19h.

No ranking mundial, Raphael figura entre os melhores ultramaratonistas. Graças a isto foi convidado a participar da Badwater – maratona disputada na zona do Vale da Morte, na Califórnia, com percurso total superior a 200 km que interligam os pontos mais baixo e mais alto do território continental dos EUA. “A prova, em termos de dificuldade, é a mais dura da modalidade e comparada à escalada do Everest pelos alpinistas”, lembrou.