ACP | Associação Comercial do Paraná

Vendas no comércio cresceram em abril

A sondagem conjuntural do comércio curitibano realizada pelo Instituto Datacenso para a Associação Comercial do Paraná (ACP), revelou o crescimento real de 4% das vendas de abril em relação ao movimento do setor em março. A coleta de dados foi realizada no período de 6 a 8 de maio.

Os segmentos que alcançaram maior incremento no período foram os de informática/ eletrônicos (7%), vestuário (6%), supermercado (6%) e lojas de departamento (5%). Os setores de cosméticos e perfumaria e de livraria/ papelaria tiveram queda nas vendas de 2%. Dentro da média ficaram os estabelecimentos de móveis e eletro (4%), comércio de veículos/ reparação (3%), calçados (3%), farmácia (3%), celular/ smartfones (2%), joalheria/ bijuterias/ relojoaria (1%).

Na esteira do aumento, a taxa de inadimplência também vem apresentando altas nos últimos três meses. Em abril houve aumento de 8%, um ponto percentual acima do índice registrado em março.

Apesar do resultado positivo com relação às vendas do mês anterior, a maior parte dos lojistas entrevistados declarou que o crescimento médio no mesmo período do ano passado foi negativo em 3 pontos percentuais. Porém, os comerciantes estão otimistas quanto ao movimento comercial durante o mês de maio, que deverá ser positivo em 7%.

Em abril, o volume de vendas a prazo continuou maior do que à vista para 50% dos comerciantes ouvidos, enquanto que o pagamento à vista apresentou queda significativa, segundo 18% dos entrevistados. As vendas no cartão de crédito apresentaram pequena queda em relação a março (2%), mas continua sendo a principal forma de pagamento nas vendas a prazo. O crédito próprio apresentou pequeno crescimento (3%).

O universo da pesquisa contemplou 200 comerciantes e 200 consumidores, sendo que o perfil destes está equilibrado quanto ao gênero, com faixa etária entre 18 a 45 anos e renda familiar mensal entre R$ 1.245,00 a R$ 6.220,00.

Os ramos de atividades consultados estão representados por empresas de vestuário (22%), calçados (12%), farmácia (8%),  joalheria/bijuterias/relojoaria (6%), cosméticos e perfumaria (6%), supermercado (6%),  celular/smartphones (6%), informática/eletrônicos (5%), lojas de departamentos (5%), comércio de veículos/reparação (5%), livraria e papelaria (5%), móveis e eletros (5%), artigos esportivos (3%), óticas (3%), materiais de construção (3%) e utilidades domésticas (2%).