As ideias de João Guilherme, do Novo

Terceiro candidato a participar das sabatinas na Associação Comercial do Paraná, João Guilherme, do Partido Novo, comprometeu-se, “caso eleito, a cumprir um único mandato” e não se candidatar à reeleição. “O Brasil que dá certo, o Brasil que produz, afastou-se da política, que hoje está nas mãos de políticos de carreira”, observou, destacando que seu partido não usa as verbas do Fundo Eleitoral de Financiamento de Campanha.

João Guilherme observou que o poder público não pode resolver tudo sozinho e que é preciso abrir o debate e a participação a toda a sociedade. “Será assim com a questão dos moradores de rua. Da forma como a questão está sendo enfrentada, até mesmo sem o mapeamento das pessoas, estamos enxugando gelo”, lembrando a questão da desigualdade social em Curitiba, “onde temos 200 mil pessoas vivendo em situação de favelas”.

Programas de geração de emprego e renda serão prioridade, segundo o candidato do Novo, que prevê a criação de um fundo de aval para alavancar principalmente pequenos negócios, e o uso das novas tecnologias digitais para reduzir a burocracia e facilitar o acesso aos serviços públicos. “Na saúde pós pandemia, a tecnologia também será vital para melhorar o atendimento às pessoas, com o uso intensivo da telemedicina”.

O candidato disse ser favorável à proposta da ACP de flexibilizar o horário do comércio e escalonamento nos horários da indústria, comércio e serviços, “pois não tem sentido todo mundo pegar ônibus ao mesmo tempo”. Para o transporte público, entre suas propostas, anunciou que incluiu no plano de governo a criação do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) na Avenida das Torres, ligando o aeroporto à rodoferroviária, e a mudança do zoneamento no trecho para estimular a construção de hotéis, prédios comerciais e centros de eventos.

A candidata a vice, a empreendedora social Geovana Conti, também participou da sabatina. Fundadora de  uma empresa social na Vila Torres voltada ao impulsionamento de negócios locais e à preparação de jovens para o mercado de trabalho, comentou que Curitiba tem altos índices de desigualdade social e que este é um fator que gera violência. “A erradicação da pobreza passa pela geração de renda e por qualidade de vida nas periferias – emprego, saúde, educação e lazer”.

A programação de sabatinas segue 13/10, às 9h, com Zé Boni, do Partido Trabalhista Cristão; 15/10, às 9h, Professor Mocellin, do Partido Verde; 15/10, às 17h, Goura, do Partido Democrático Trabalhista; 20/10, às 9h, Marisa Lobo, do Avante;  20/10, às 17h, Fernando Francischini, do Partido Social Liberal; 22/10, às 9h, Camila Lanes, do Partido Comunista do Brasil; 22/10, às 17h, Caroline Arns, do Podemos; 27/10, às 9h, João Arruda, do Movimento Democrático Brasileiro; 29/10, às 9h, Letícia Lanz, do Partido Socialismo e Liberdade; e 29/10, às 17h30, Rafael Greca, do Democratas.

Os candidatos participantes recebem um documento com a síntese de reivindicações e preocupações da ACP elaboradas a partir de consultas aos associados.

As ideias de João Guilherme, do Novo
As ideias de João Guilherme, do Novo
As ideias de João Guilherme, do Novo
As ideias de João Guilherme, do Novo
As ideias de João Guilherme, do Novo
As ideias de João Guilherme, do Novo
As ideias de João Guilherme, do Novo
As ideias de João Guilherme, do Novo
As ideias de João Guilherme, do Novo
As ideias de João Guilherme, do Novo
As ideias de João Guilherme, do Novo
As ideias de João Guilherme, do Novo
As ideias de João Guilherme, do Novo
As ideias de João Guilherme, do Novo
As ideias de João Guilherme, do Novo
As ideias de João Guilherme, do Novo
As ideias de João Guilherme, do Novo
As ideias de João Guilherme, do Novo
As ideias de João Guilherme, do Novo
As ideias de João Guilherme, do Novo