ACP | Associação Comercial do Paraná

Associações comerciais vão pedir ajuda a prefeitos para regulamentar horário do comércio em cada cidade

A Associação Comercial do Paraná (ACP) e mais 12 associações comerciais de municípios próximos a Curitiba, representantes da Urbs, Comec e do Setransp (Sindicato das Empresas de Transporte de Curitiba e Região Metropolitana) se reuniram ontem (28/04) para discutir o problema da lotação dos ônibus do transporte coletivo nos horários de pico e qual a melhor forma de enfrentar o problema, evitando o avanço do Covid-19 (coronavírus). Ao final de quase uma hora e meia de conversa, na sede da ACP, os representantes das associações decidiram que vão buscar apoio dos prefeitos de cada cidade, para que haja regularização de horários alternativos de funcionamento, para que as recomendações apresentadas tenham força de lei. Em Curitiba, por exemplo, a ACP recomenda o funcionamento do comércio das 10h às 16h, mas muitos lojistas não acatam o pedido, o que tem ocasionado acúmulo de passageiros no início da manhã e no final da tarde. O presidente da ACP, Camilo Turmina, destacou que a reunião foi muito importante por apresentar os problemas de cada associação e a busca de uma solução coletiva para todas.

A ACP recebeu uma correspondência da Urbs, em resposta à carta enviada ao Ministério Público, onde a instituição solicitava a intervenção do MP para impedir a lotação dos ônibus. No documento recebido pela ACP, a Urbs explica que o sistema de transporte coletivo de Curitiba teve uma queda de 1 milhão e 400 mil passageiros por dia para cerca de 190 mil neste período de pandemia. A Urbs informa que está fazendo todos os esforços para evitar a difusão do vírus entre a população, recomendando que os ônibus circulem apenas com passageiros sentados. A administradora do transporte coletivo de Curitiba reforça a importância de que o comércio funcione em horário alternativo, evitando o acúmulo de passageiros em horários de pico.

O representante do Setransp destacou que os ônibus circulam praticamente vazios a partir das 8 horas até o final da tarde e que passageiros que precisem usar o transporte coletivo, façam no horário com menos fluxo de pessoas.

O presidente da ACP, Camilo Turmina, lembrou que pediu apoio da Câmara Municipal de Curitiba para que o horário alternativo seja normatizado pelos vereadores, já que a ACP só pode orientar e não exigir o cumprimento da norma. “Cada associação comercial irá fazer contato com o prefeito de sua cidade e pedir apoio para o perfeito funcionamento do comércio em conjunto com a preocupação com a saúde da população”, destacou Camilo Turmina.

Associações comerciais vão pedir ajuda a prefeitos para regulamentar horário do comércio em cada cidade