ACP | Associação Comercial do Paraná

Brasileiro trabalhou 153 dias em 2017 só para pagar impostos, diz pesquisa

Segundo levantamento do IBPT, corrupção consumiu 29 dias de trabalho. Brasil segue na 8ª posição, atrás da Noruega, em ranking que compara 27 países

Completam nesta sexta-feira (2) os 153 dias que o brasileiro terá que trabalhar em média neste ano somente para pagar tributos. O cálculo é do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), que asssim como no ano passado estima que 41,80% de todo o rendimento ganho atualmente está sendo destinado a impostos, taxas e contribuições exigidos pelos governos federal, estadual e municipal.

Serão 5 meses e dois dias de trabalho cujos rendimentos serão destinados aos cofres públicos. O tempo é o mesmo desembolsado no ano passado, que foi ano bissexto, mas representa o dobro do que se trabalhava na década de 70 (2 meses e 16 dias ná média) para pagar a tributação, segundo o IBPT.

Dependendo da faixa de renda, o comprometimento da renda com impostos pode ser maior ou menor. Na faixa mensal de rendimento de R$ 3 mil a R$ 10 mil (classe média), o peso dos tributos é marior, comprometendo 44,54% da renda. Na faixa mais alta, com rendimento mensal acima de R$ 10 mil, a mordida é de 42,62%. O peso dos tributos sobre o consumo e sobre a renda também muda de acordo com a classe social.

Corrupção consome 29 dias
A partir dos resultados do Projeto Lupa nas Compras Públicas, que monitora todas as compras realizadas pelos governos, o IBPT também estimou que a corrupção consumiu 29 dias de trabalho de cada um dos brasileiros em 2017.

“Assim, determinou-se que cada brasileiro trabalhou 29 dias este ano só para pagar os rombos causados pela corrupção no País”, afirma o presidente do Conselho Superior e Coordenador de Estudos do IBPT, Gilberto Luiz do Amaral.

O projeto Lupa monitora todas as compras realizadas pelos órgãos governamentais federais, estaduais e municipais e cruza o valor pago pelos governos com o preço da mesma mercadoria ou serviço comprado pelas empresas.

Comparação com outros países
Na comparação com outros países, o Brasil segue na 8ª posição, atrás da Noruega, no ranking que comprara os dias necessários para pagar tributos em 27 países.

Para o presidente do IBPT, João Eloi Olenike, a diferença é que na Noruega a população tem retorno dos tributos em forma de saúde, transporte, educação, qualidade de vida e pode usufruir, de fato, dos serviços públicos, o que é muito diferente da nossa realidade: “aqui pagamos muito e não temos quase nenhum retorno”.

Ranking de dias trabalhados por país
DINAMARCA: 176 dias
FRANÇA: 171 dias
SUÉCIA: 163 dias
ITÁLIA: 163 dias
FINLANDIA: 161 dias
ÁUSTRIA: 158 dias
NORUEGA: 157 dias
BRASIL: 153 dias
HUNGRIA: 142 dias
ARGENTINA: 141 dias
BÉLGICA: 140 dias
ALEMANHA: 139 dias
ESPANHA: 138 dias
ISLÂNDIA: 135 dias
REINO UNIDO: 132 dias
ESLOVENIA: 131 dias
CANADÁ: 130 dias
NOVA ZELÂNDIA: 129 dias
ISRAEL: 125 dias
JAPÃO: 124 dias
IRLANDA: 122 dias
SUIÇA: 122 dias
COREIA DO SUL: 109 dias
EUA: 98 dias
URUGUAI: 96 dias
CHILE: 94 dias
MÉXICO: 91 dias

Fonte: G1

Impostômetro

Nesta seguda (5) , o Impostômetro da Associação Comercial do Paraná registrou R$ 941 bilhões de tributos acumulados pagos pelos brasileiros desde o início do ano. O valor se refere à arrecadação de todos os impostos, taxas e contribuições que vão para a União, os estados e os municípios.
O Impostômetro foi implantado pela Associação Comercial de São Paulo e desde 2011 tem seus números replicados pelo painel eletrônico da ACP. Objetivo é conscientizar o cidadão sobre a alta carga tributária e incentivá-lo a cobrar os governos por serviços públicos melhores. A ideia deu certo e outros estados aderiram ao projeto.