Câmara discute propostas de presidenciáveis para relações de trabalho

As principais propostas dos programas de governo dos candidatos à presidência da República, Dilma Rousseff, Marina Silva e Aécio Neves, para o setor de relações de trabalho e previdência social, foram debatidas nessa terça-feira (16) pelos integrantes da Câmara de Trabalho e Previdência do Conselho de Tributação e Finanças (CTF), da Associação Comercial do Paraná, sob a coordenação do advogado Rodrigo Fortunato Goulart.

No desenvolvimento dos trabalhos, Goulart informou que o programa da candidata à reeleição, Dilma Rousseff, “é o menos explícito em propostas para as áreas trabalhista e previdenciária, da mesma forma que as propostas de Aécio Neves pouca coisa acrescentam ao tema”.

Ao contrário, segundo ele, o programa defendido pela candidata Marina Silva é o que tem maior consistência em termos do aperfeiçoamento das relações de trabalho e previdência.

Marina está anunciando, entre outros, o compromisso de aumentar o número de empregos mediante a redução de encargos sobre a folha salarial, combate ao trabalho escravo e disciplinar o sistema de terceirização da mão de obra. Goulart citou também que o programa de governo de Marina tem um capítulo exclusivo sobre o movimento sindical.

A Câmara de Trabalho e Previdência deverá elaborar um documento a ser encaminhado aos principais candidatos à presidência com uma síntese das sugestões para o setor. Além disso, revelou, “pretendemos organizar um seminário sobre a reformulação da legislação trabalhista antes da eleição em segundo turno, caso ela se realize”.  

Além dos integrantes da câmara, participaram também da reunião o vice-presidente Airton Hack, coordenador do Conselho de Tributação e Finanças, e o magistrado Indalécio Gomes Neto que por cinco anos integrou o quadro de ministros do Tribunal Superior do Trabalho (TST), em Brasília.