Camilo Turmina fala na Tribuna Livre da Câmara Municipal

 

A convite do vereador Hélio Wirbiski, o vice-presidente Camilo Turmina, da Associação Comercial do Paraná (ACP), falou na última Tribuna Livre realizada durante a sessão plenária da Câmara Municipal de Curitiba, fazendo uma exposição das atividades patrocinadas pela entidade em termos de combate a pichação, limpeza da Rua XV de Novembro e da ronda noturna com emprego de motocicletas na citada via pública, uma das mais importantes para o comércio curitibano.

Camilo citou a campanha “Pichação é crime, Denuncie”, lançada há cinco anos pela ACP, com o objetivo de conclamar autoridades e a própria sociedade, com o auxílio da Polícia Militar, Polícia Civil e Guarda Municipal, entre outras organizações sociais preocupadas com a preservação do patrimônio urbanístico da cidade. Ressaltou o esforço voluntário da cidadania na limpeza de portas e paredes pichadas, especialmente em ruas, monumentos e praças centrais, no sentido de “despertar e fomentar na população o zelo e o cuidado com seu entorno”.

O vice-presidente da ACP destacou a atuação dos lojistas no envolvimento em  mutirões organizados pela entidade, e aproveitou para reiterar a necessidade de leis mais duras para combater a pichação.

A principal rua da cidade, a XV de Novembro, está sendo monitorada à noite por uma dupla de motociclistas da empresa de segurança “Inviolável” – entre 22 horas e seis da manhã — com resultados concretos na redução dos casos de arrombamentos e pichações.

Maior êxito será obtido, na visão de Camilo, se a legislação municipal constranger os proprietários a cuidar melhor das portas e fachadas de seus estabelecimentos, citando o exemplo da padronização de placas e letreiros das lojas, que podem gerar notificações por parte da Prefeitura Municipal, caso estejam fora dos padrões. O vice-presidente afirmou que o mesmo procedimento legal pode ser tomado em relação aos comerciantes que não se preocupam com as pichações em portas e fachadas de lojas.

“Muitas portas e paredes estão cobertas por autênticos hieróglifos e letras que nada dizem mas podem contar tudo, afirmou, lembrando mesmo a probabilidade de que inscrições indecifráveis pela população podem indicar “locais de venda de drogas, espaços livres para a prática do crime, ou ainda, loja que vendem armas para marginais”.

Para o coordenador do Conselho do Comércio Vivo e vice-presidente da ACP, a legislação referente à publicidade pode e deve ser aplicada para notificar empresas que não cuidam da parte exterior dos prédios, ignorando que “este é um fator que restringe a circulação de pessoas nas imediações em prejuízo da atividade econômica local”. Camilo sublinhou que tal situação pode ser eliminada se o responsável for taxado com IPTU majorado, “o mesmo acontecendo com proprietários de terrenos baldios ou calçadas danificadas”.

 

Camilo Turmina fala na Tribuna Livre da Câmara Municipal
Camilo Turmina fala na Tribuna Livre da Câmara Municipal
Camilo Turmina fala na Tribuna Livre da Câmara Municipal
Camilo Turmina fala na Tribuna Livre da Câmara Municipal
Camilo Turmina fala na Tribuna Livre da Câmara Municipal
Camilo Turmina fala na Tribuna Livre da Câmara Municipal
Camilo Turmina fala na Tribuna Livre da Câmara Municipal
Camilo Turmina fala na Tribuna Livre da Câmara Municipal
Camilo Turmina fala na Tribuna Livre da Câmara Municipal
Camilo Turmina fala na Tribuna Livre da Câmara Municipal
Foto: Chico Camargo/CMC
Camilo Turmina fala na Tribuna Livre da Câmara Municipal
Camilo Turmina fala na Tribuna Livre da Câmara Municipal
Camilo Turmina fala na Tribuna Livre da Câmara Municipal
Camilo Turmina fala na Tribuna Livre da Câmara Municipal
Camilo Turmina fala na Tribuna Livre da Câmara Municipal
Camilo Turmina fala na Tribuna Livre da Câmara Municipal
Camilo Turmina fala na Tribuna Livre da Câmara Municipal
Camilo Turmina fala na Tribuna Livre da Câmara Municipal
Camilo Turmina fala na Tribuna Livre da Câmara Municipal
Camilo Turmina fala na Tribuna Livre da Câmara Municipal