Consultor fala a arquitetos urbanistas sobre desafios empresariais

Mais de 50 profissionais da área participaram do evento na sede da ACP

Foto Cyntia Souza

A Câmara Setorial de Arquitetura e Urbanismo da Associação Comercial do Paraná (ACP), coordenada pelo arquiteto Jucenei Gusso Monteiro, realizou nessa quinta-feira (16) o workshop “Arquiteto: do técnico ao empreendedor”, com destaque para a conferência do engenheiro eletrônico Plínio Fernando Ribeiro, da Consultoria de Gente Limitada.

O evento que teve a participação de mais de 50 profissionais de arquitetura e urbanismo, além de técnicos de outras áreas, fornecedores e prestadores de serviço, foi aberto pelo presidente Antonio Espolador Neto.

Antes da exposição principal, o gerente de comercialização de novos produtos da ACP, Esdras Leon, discorreu sobre o pacote de vantagens oferecido pela entidade também a micro e pequenas empresas, a preços competitivos no mercado, “para ajudá-los a desenvolver seus negócios”.

Esdras descreveu as vantagens especiais dos planos da Unimed Seguros, nota fiscal eletrônica para consumidores, eSocial e o plano de logística reversa de resíduos sólidos.

O engenheiro Plínio Fernando Ribeiro, que tem MBA em marketing e atua como educador corporativo e consultor empresarial do setor público, deu cursos para empresas do porte da Vivo, Bosh, Sony, New Holland, O Boticário e Eternit, entre outras, abordou vários aspectos da carreira profissional do arquiteto urbanista, chamando a atenção para questões desafiantes como a transformação do exercício profissional em negócio, as exigências do mercado, marketing pessoal, empresarial e de serviços, parcerias com a clientela, conclamando os presentes a definirem uma nova versão para 2015.

Plínio lembrou os desafios que o profissional que se depara com a realidade do mercado tem de enfrentar quando tem pouca experiência, tarefa que segundo ele “exige uma boa preparação, mesmo porque não existem receitas mágicas”. Com exemplos e comparações práticas e sublinhando que a palestra não era motivacional, revelou que “ninguém vai ao médico para emagrecer, mas para ser emagrecido”. 

Lembrou que o maior gargalo da atividade profissional é o entendimento deficiente dos itens dinheiro, vendas e pessoas, sublinhando que esse problema pode ser melhor compreendido pelo fato de que “a gestão comercial passou a ser ensinada nas universidades há apenas 20 anos”.

Na avaliação do consultor há profissionais e empresários que se comportam de acordo com a música popularizada por Zeca Pagodinho (deixa a vida me levar), quando o melhor seria agir conforme a canção de Geraldo Vandré (quem sabe faz a hora, não espera acontecer), concluindo que “tudo tem seu preço”.