ACP | Associação Comercial do Paraná

Comunidade debate questão de pessoas em situação de rua

Autoridades, empresários e técnicos analisam problema comum às maiores cidades do mundo

O presidente Antonio Miguel Espolador Neto, da Associação Comercial do Paraná (ACP), fez uma saudação especial a mais de uma centena de convidados que participaram nessa terça-feira (24), do jantar no Restaurante Hara organizado pelo Conselho do Comércio Vivo, em cooperação com o Conselho Comunitário de Segurança (Conseg) do bairro Rebouças e apoio do Conselho Comunitário de Segurança da Área Central.

Além do vice-presidente Camilo Turmina, coordenador do Conselho do Comércio Vivo e Chris Zanella, presidente do Conseg Rebouças, estiveram presentes entre outros os vice-presidentes da ACP, Gláucio Geara e Paulo Brunel, vereadores Helio Wirbiski e Bruno Pessuti, delegada Maritza Haisi, do Comando da Divisão Policial da Capital (DPCAP), delegado Rubens Recalcatti, da Divisão do Patrimônio, capitão Luiz Fernando, comandante da 1ª Companhia da Polícia Militar, inspetor Frederico de Carvalho, diretor da Guarda Municipal, Amabilon Dalcomuni, coordenador de Assuntos Comunitário da prefeitura municipal, Caio Rizzardi, coordenador dos Conselhos Comunitários de Segurança do Paraná, pesquisadores, professores, técnicos em ações sociais, empresários, líderes religiosos e moradores, que em conjunto discutiram a problemática das pessoas em situação de rua.

Resumindo a visão da ACP, o presidente Antonio Espolador lembrou o trabalho proativo da entidade “cujo objetivo é reforçar a integração dos 30 mil associados diretos e indiretos e a presença da entidade na maioria dos municípios para melhor atender os interesses da comunidade”, citando como exemplo o projeto “ACP nos Bairros”, desenvolvido com o apoio da Fomento Paraná, órgão do governo estadual.

Ele salientou que “o associado é a parte mais importante do nosso projeto de avanço e, por isso, deve estar cada vez mais perto da entidade para que os resultados obtidos sejam otimistas”, enfatizando que “as dificuldades que todos enfrentamos atualmente são grandes, mas não devemos perder a coragem e o entusiasmo”.

Preocupação geral
Na mesma linha de raciocínio, o coordenador do Conselho do Comércio Vivo, Camilo Turmina, reiterou que a entidade está empenhada em levar às autoridades “a preocupação da sociedade com as pessoas em situação de rua e outras vulnerabilidades”.

Aproveitou o momento para chamar a atenção dos presentes para as pichações, outra frente de luta da ACP, lembrando o mutirão de despiche das portas de estabelecimentos comerciais da rua XV de Novembro, na manhã de domingo (29).
Atendimento social

Antonio Carlos Rocha, assessor técnico da presidência da Fundação de Ação Social (FAS), instituição da administração municipal, abordou a questão das pessoas em situação de rua, e Joseli Gonçalves de Mello, da Regional da Matriz, descreveu os serviços de atendimento social que a prefeitura mantém em várias unidades atuantes nos bairros abrangidos pela referida regional, incluindo Rebouças.

Houve também intervenções dos vereadores Helio Wirbiski e Bruno Pessuti, que citou o projeto de renovação do sistema de iluminação pública de Curitiba até o final do ano, com investimentos de R$ 90 milhões, “um valor que supera o orçamento de grande número de municípios paranaenses”.

Por sua vez, o pastor Jackson Rodrigo Gonçalves, da Assembléia de Deus, fez comentários sobre o projeto “Menos Um”, do qual é vice-presidente. O projeto é mantido sem qualquer tipo de doações externas numa casa localizada no bairro Boa Vista, com o acolhimento e tratamento digno dispensado atualmente a 26 adultos retirados das ruas.