G7 e governo do estado querem manter equilíbrio entre saúde e atividade econômica

O G7, grupo de entidades representativas do setor produtivo paranaense, da qual a Associação Comercial do Paraná faz parte, ao lado da Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep), Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado do Paraná (Faciap), Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Estado do Paraná (Fetranspar), Federação do Comércio do Estado do Paraná (Fecomércio) e  Federação e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Fecoopar) esteve reunido com o vice-governador Darci Piana, no Palácio Iguaçu, nesta quinta-feira,

As reuniões entre o setor produtivo e o governo do estado serão constantes para a troca de informações e de sugestões para o enfrentamento do Covid 19, o novo coronavírus. O principal objetivo será equilibrar as ações em prol da saúde da população e a manutenção da atividade econômica.

O vice-governador Darci Piana informou que já existem muitos pedidos para postergar o pagamento de impostos, tanto municipais, estaduais e federais. Ele lembrou que o Paraná já enfrenta o crescimento de casos, mas que ainda não houve o chamado contágio social, quando não se sabe a origem da doença. As restrições para redução de horário e, em alguns casos, o fechamento completo de estabelecimentos comerciais já causa diminuição nas finanças do estado. No último mês o Paraná teve uma queda de arrecadação de 16%. Segundo estimativas das autoridades de saúde, o ápice da doença no Brasil se dará em maio, quando se atingirá a maior quantidade de infectados pelo Covid 19. “Diante deste quadro, precisamos estar todos unidos para evitar a propagação da doença, mantendo a saúde de nossa população e tentar evitar estragos ainda maiores nos setores econômicos”, destacou Darci Piana.

O vice-governador garantiu aos integrantes do G7 que alguns setores não serão paralisados, tais como supermercados, farmácias e postos de combustíveis, como forma de tentar não paralisar completamente a atividade econômica no estado.

O presidente da ACP, Camilo Turmina, destacou que solicitou aos shopping centers a não cobrança dos aluguéis fixos para os lojistas durante este período de crise, mantendo apenas o percentual sobre o faturamento. A ACP enviou carta à Associação Brasileira de Shopping Centers com a reivindicação para atender pedido de associados da entidade.