Hit na web, guatemalteca aposta na tecnologia para o fim do populismo

Gloria Alvarez faz palestra na UFPR, em Curitiba, nesta quarta-feira (8). Vídeo em que ela discursa contra governos teve 1 milhão de acessos

Do G1 Paraná

A cientista política guatemalteca Gloria Alvarez tornou-se conhecida de muita gente no Brasil nos últimos dias, depois que o discurso dela contra o populismo latino, proferido em uma conferência na Espanha, viralizou na internet.
A fala firme, a argumentação clara, a crítica contundente: a cena em que interlocutora com rosto de menina aponta o dedo ao populismo enraizado na América Latina, no púlpito de um evento de nível mundial, chamou a atenção de mais de 1 milhão de pessoas, espectadoras do vídeo no Youtube, gravado em setembro de 2014.

A jovem, de 29 anos, faz palestra na Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba, às 10h desta quarta-feira (8). Com tema “Populismo e desenvolvimento econômico na América Latina”, ela fala sobre o assunto que a consagrou na web.
E é justamente na internet que Gloria acredita que esteja a saída para a deposição dos governantes populistas na América Latina. Para ela, o acesso à informação livra os povos subjugados aos presidentes da dependência de uma educação propositalmente falha.

“A tecnologia faz com que todo cidadão tenha acesso à informação apenas com um telefone celular na mão. Assim, as pessoas não dependem mais da educação do governo, que é impede que o conhecimento chegue a eles. Um jovem, com a internet, pode chegar a qualquer parte do mundo”, afirma, em entrevista ao G1.
Para ela, entretanto, é preciso que o povo tenha vontade de lutar contra o domínio dos presidentes. “É preciso que os indivíduos se unam e tentem buscar o acesso à informação. Para lutar contra o populismo, são fundamentais a curiosidade, a vontade de mudança e a busca constante pela informação”.

Gloria faz questão de sempre repetir uma frase do discurso na Espanha: “O populismo ama tanto os pobres que os multiplica”. O maior mal desse tipo de governo, ressalta ela, é a manipulação: sem perceber, o povo passa a ser dependente dos governistas e dos métodos sociais que eles oferecem.

“Eles [os governantes] manipulam as necessidades econômicas para que o povo os ame. Eles levantam paixões, mas em prol deles. O populismo rouba a dignidade das pessoas. O que temos que fazer é denunciar e reconhecer, por meio da informação, quão ruim é o governo deles. Só vamos derrubá-los com conhecimento”, crava.

A cientista política garante que, mesmo com populistas ainda ocupando vários palácios presidenciais na América, já há mudanças significativas no atual cenário latino.

“Já estamos conseguindo mudar a cabeça dos povos e lutar contra esses governos. As portas estão abertas. Somos uma região que fala o mesmo idioma, em sua maioria, mas sempre somos obrigados a pensar que estamos divididos. Não, não estamos. Estamos unidos e conseguindo combater o populismo”.