Integração da segurança em debate na ACP

O debate sobre “Segurança Pública: Integração das Câmeras de Monitoramento do Comércio”, realizado nessa quinta-feira (12) na sede da Associação Comercial do Paraná (ACP) pelo Conselho do Comércio Vivo e Comitê Centro Vivo, atraiu a atenção de dezenas de empresários, dirigentes e membros dos Conselhos de Segurança (Consegs) da área central e vários bairros curitibanos.

Os convidados especiais do evento, a saber, Guilherme Rangel, secretário municipal da Defesa Social e Trânsito, Ivo Diniewcz Junior, delegado titular do 1º Distrito Policial de Curitiba e o tenente Rodrigo Cruz, comandante da 1ª Companhia do 12º Batalhão da Polícia Militar de Curitiba, foram recepcionados pelo presidente da entidade, Gláucio Geara, vice-presidente Camilo Turmina, coordenador do Conselho do Comércio Vivo, vice-presidente Airton Hack  e Gilberto Cordeiro, coordenador do Comitê Centro Vivo.

A reunião foi aberta pelo vice-presidente Camilo Turmina, que reiterou a ênfase que o conselho que coordena atribui à necessidade de integração das câmeras de monitoramento instaladas em Curitiba, de modo especial na região central “por ser essa o centro nervoso de qualquer cidade”.

Turmina acentuou que o centro de Curitiba cumpre a função de “plano piloto” para a segurança pública, salientando as rondas preventivas da rua XV de Novembro, a cargo de motociclistas que percorrem a via das 10 da noite às seis da manhã, e que apresentam “excelentes resultado na diminuição dos índices de criminalidade e violência”.

O dirigente da ACP encareceu também a proibição do trânsito de bicicletas pela principal rua de comércio da cidade, diante da constatação de que “muitos desses ciclistas se aproveitam para furtar relógios, celulares e correntes”. Lembrou o exemplo do Oil Man, ciclista bastante conhecido na cidade, que ao transitar pela Rua XV o faz desmontado de seu veículo de locomoção em respeito à segurança dos demais transeuntes.

Entusiasta da extensão do plano piloto da XV para as demais regiões da cidade, tendo em vista a proteção dos cidadãos e dos estabelecimentos comerciais, o coordenador do Comércio Vivo convidou o CEO da Helper Tecnologia da Segurança, Rogério Dias, para uma exposição sucinta dos projetos desenvolvidos pela empresa, com destaque para a ação executada na Ceasa, local frequentado em média por 35 mil pessoas/dia e com grande índice de criminalidade, segundo Rogério, diminuída em cerca de 70%.

O secretário Guilherme Rangel, que é também delegado da Polícia Civil com vários cursos de formação profissional no combate à criminalidade, apresentou o projeto da pasta para a segurança pública em Curitiba, acentuando as dificuldades enfrentadas no setor.

Segundo o secretário existem atualmente no Paraná “seis mil pessoas portando tornozeleiras eletrônicas, tornando extremamente difícil o controle das mesmas pelas autoridades policiais”.  Além disso, revelou uma dificuldade preocupante ao informar que “dois terços das pessoas presas são soltas em 24 horas”, sendo que o reflexo “é imediatamente sentido nas ruas”.

Rangel disse que “há mais de 30 mil mandados de prisão expedidos no país”, e o fato representa apenas uma parte das dificuldades dos agentes de segurança pública. Entretanto afirmou que “o número de assassinatos na capital paranaense (18 por 100 mil habitantes) é o mais baixo em relação às demais capitais brasileiras”, de acordo com números da Organização das Nações Unidas.

Rangel referindo-se à área central de Curitiba, informou que “do início do ano até agora apenas três crimes de morte foram anotados”.

O secretário discorreu sobre o projeto em execução na pasta, visando aumentar o nível de segurança na capital pela utilização da inteligência no combate ao crime. Os resultados estão sendo obtidos por meio de sistemas interligados com base em recursos tecnológicos, como radares e câmeras nas principais vias públicas, combate ao furto de veículos, assaltos e roubos, configurando um conjunto de providências tomadas por uma cidade inteligente.

O delegado Ivo Junior e o tenente Rodrigo Cruz comentaram o desempenho institucional dos setores que dirigem e a exposição do secretário Guilherme Rangel, fornecendo dados da atuação integrada das Polícias Civil e Militar e da Guarda Civil, respondendo às questões levantadas pelos presentes.

Integração da segurança em debate na ACP
Integração da segurança em debate na ACP
Integração da segurança em debate na ACP
Integração da segurança em debate na ACP
Integração da segurança em debate na ACP
Integração da segurança em debate na ACP
Integração da segurança em debate na ACP
Integração da segurança em debate na ACP
Integração da segurança em debate na ACP
Integração da segurança em debate na ACP
Integração da segurança em debate na ACP
Integração da segurança em debate na ACP
Integração da segurança em debate na ACP
Integração da segurança em debate na ACP
Integração da segurança em debate na ACP
Integração da segurança em debate na ACP
Integração da segurança em debate na ACP
Integração da segurança em debate na ACP
Integração da segurança em debate na ACP
Integração da segurança em debate na ACP
Integração da segurança em debate na ACP
Integração da segurança em debate na ACP
Integração da segurança em debate na ACP
Integração da segurança em debate na ACP
Integração da segurança em debate na ACP
Integração da segurança em debate na ACP