ACP | Associação Comercial do Paraná

Nota de repúdio às invasões na Araupel

A ACP, na condição de integrante do G7, que congrega as mais importantes entidades do sistema produtivo do Paraná, em absoluta concordância com a nota a seguir, mais uma vez lamenta a ação de grupos perturbadores da ordem e do sagrado direito à propriedade privada.

Nota de repúdio às invasões na Araupel

O G7 vem a público repudiar mais uma afronta às leis e ao constitucional direito à propriedade orquestrada por membros do Movimento Sem-Terra. Novamente, áreas produtivas da Araupel, no Sudoeste do Estado, são atacadas e saqueadas por um grupo de pessoas que, apesar de jamais ter respeitado as leis, sentem-se no direito de ditá-las.

É imperativo, para o bem e para a longevidade da jovem democracia nacional, que os preceitos constitucionais sejam rigorosa e atentamente preservados. Por isso, diante dos fatos ocorridos a partir da madrugada da última segunda-feira (6/7), as entidades apelam às autoridades para que façam prevalecer a Justiça e os direitos contidos no mais importante documento de cidadania de todo brasileiro, a Constituição.

A invasão à área do Projeto Quatro, em Quedas do Iguaçu, é mais uma manobra do MST para inviabilizar projetos, macular a história e desrespeitar uma empresa que sempre se pautou pelo trabalho e pelo zeloso cumprimento de suas obrigações fiscais, ambientais e sociais. Lamentamos profundamente que uma decisão judicial provisória de primeira instância, à qual a própria juíza já atribuiu efeito suspensivo, tenha sido usada como estímulo, incentivo e justificativa para a nova invasão, como vêm afirmando os líderes do movimento em declarações à imprensa.

As duas invasões mais recentes, de julho de 2014 e de agora, contam com reintegração de posse dada pela Justiça. Para o bem da paz social e econômica do Paraná, essas decisões precisam ser firmemente cumpridas pelo governo estadual. Diante de circunstâncias tão graves, não há nada mais importante e urgente que, pelos meios legais, fazer prevalecer a lei e a ordem jurídica.

Mais do que afetar as atividades de uma única empresa, o que por si só já seria condenável, o ato já vem causando prejuízos econômicos para as cadeias produtivas da construção civil, da madeira, da avicultura, da suinocultura, da energia elétrica, do papel e da celulose do Paraná, que têm na Araupel uma importante fornecedora de matéria-prima. Além de prejudicar a imagem de um Estado de tradição pacífica e trabalhadora, inibir novos investimentos em reflorestamentos e comprometer o próprio futuro da silvicultura no país – cujo desenvolvimento foi objeto de recente compromisso assumido pela própria presidenta da República em instâncias internacionais.

Compromete, em especial, a economia dos municípios onde a Araupel atua, que têm boa parte de sua arrecadação proveniente dos impostos pagos por ela, e a qualidade de vida de seus cidadãos, já que a empresa gera mais de 2 mil empregos diretos e indiretos, provendo o sustento de mais de 6 mil pessoas.

Ao mesmo tempo em que a Araupel busca garantir o seu direito à propriedade e à produção, queremos aqui cobrar das autoridades posições corajosas e estadistas que façam valer as garantias fundamentais contidas na Constituição.                                                                                             

Associação Comercial do Paraná (ACP), Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Federações da Agricultura (Faep), do Comércio (Fecomercio), dos Transportes (Fetranspar) e das Associações Comerciais (Faciap), e Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar).