ACP | Associação Comercial do Paraná

Novo Cadastro Positivo pode reduzir inadimplência

Conforme previam os economistas da Boa Vista/Associação Comercial do Paraná (ACP), a inadimplência das pessoas físicas ficou estável em janeiro na comparação com dezembro, segundo as estatísticas de crédito de dezembro, divulgadas pelo Banco Central. A ACP é a representante exclusiva da Boa Vista no estado do Paraná.

“A taxa de inadimplência nas operações com recursos livres manteve-se em 4,8% em janeiro, mesmo valor registrado em dezembro e novembro. Trata-se de um patamar baixo, se considerarmos a média histórica. Por isso temos destacado que novos recuos, a partir de agora, somente com avanços em reformas microeconômicas. A boa notícia, nesse sentido, foi a aprovação do Cadastro Positivo na semana passada”, argumentaram os economistas.

A inadimplência das operações com recursos livres para pessoas jurídicas, por sua vez, apresentou leve alta, de 2,7% em dezembro para 2,9% em janeiro, mas, para os economistas da Boa Vista/ACP, o aumento ainda não preocupa e não é possível falar em tendência de alta da inadimplência no segmento.

“As concessões com recursos livres para pessoas jurídicas vêm crescendo bastante nos últimos meses [15,2% em doze meses]. Com a inadimplência baixa, os juros caíram e aumentou a disposição dos bancos para emprestar. Por outro lado, a recuperação da atividade econômica, ainda que lenta, tende a favorecer a saúde financeira das empresas”, destaca a equipe econômica da Boa Vista/ACP.

Na análise por porte de empresa, nota-se que a inadimplência total subiu de 1,1% em dezembro para 1,2% em janeiro nas grandes empresas, enquanto caiu [de 5% para 4,8%] no segmento de micro, pequenas e médias empresas (MPMe).

É também no segmento de MPMe que foi registrado o maior crescimento da carteira de crédito na comparação com janeiro do ano passado [2,5%, contra alta de apenas 0,2% da carteira das grandes empresas].

Apesar da estabilidade da inadimplência das operações com recursos livres para pessoas físicas, a taxa média de juros para o segmento subiu em janeiro [de 48,9% ao ano em dezembro para 51,4%]. Ela manteve-se, contudo, abaixo da registrada em janeiro de 2018 (55,8%).

Fim de ano tem muitas despesas

Os economistas da Boa Vista/ACP explicam que janeiro é um mês de sazonalidade forte para o mercado de crédito. “Por causa dos gastos no final do ano, somados às despesas de início de ano com IPVA, IPTU e material escolar, por exemplo, muitos consumidores acabam recorrendo a empréstimos em modalidades emergenciais, como o rotativo do cartão de crédito e o cheque especial, nas quais as taxas de juros são mais altas”, explicam.

No mês, as concessões no rotativo do cartão de crédito cresceram 10,8%, as de cheque especial, 4,4%, contra queda de 1,2% dos novos empréstimos com recursos livres para pessoas físicas.

“Nosso cenário, que era de estabilidade da inadimplência para pessoas físicas, agora é de queda no médio prazo com a aprovação das novas regras do cadastro positivo”, destacou a equipe econômica da Boa Vista/ACP.

Os economistas ressaltam que a expectativa é que com o novo Cadastro Positivo – que deve colaborar para o aprimoramento das avaliações de crédito, elevando as taxas de aprovação de empréstimos e diminuindo a inadimplência –, mais de 20 milhões de pessoas sejam incluídas no mercado de crédito, com redução das taxas médias de juros e aumento da oferta de empréstimos, o que tende a beneficiar consumidores e empresas e ainda estimular o crescimento da economia.