ACP | Associação Comercial do Paraná

Presidente da ACP diz, em entrevista, que ainda “estamos lutando pela vida”

O presidente da Associação Comercial do Paraná (ACP), Camilo Turmina, participou de uma entrevista ao portal Siga Campo Largo, nesta segunda-feira (29/06). Falando a Renato Costa, Turmina falou sobre o enfrentamento do comércio à pandemia da Covid-19, os problemas e as soluções para superar a crise que afeta o comércio em todo o mundo. Segundo o presidente da ACP, “no momento ainda estamos lutando pela vida, a recuperação econômica virá mais para frente”.

Camilo Turmina explicou que o comércio vem enfrentando uma forte queda nas vendas, mesmo com a reabertura do comércio de rua e dos shopping centers. “Sabemos da gravidade da situação, mas é melhor uma festa na porta do que ela fechada o tempo todo”, comparou ele. Ele explicou que os setores que vêm sofrendo mais com a pandemia são os de serviço, como bares, restaurantes e os de turismo, incluindo os hotéis. No comércio, as lojas de roupas e de calçados, talvez, seja as que tiveram maior queda de vendas até aqui. “Nos shopping centers, as lojas estão sobrevivendo porque negociaram valores de aluguéis com as administradoras e os condomínios foram reduzidos, mas o movimento é cerca de 30% do normal”, falou Turmina.

O presidente da ACP explicou que os comerciantes têm buscado alternativas, como vendas por aplicativos como o whatsapp e até o e-commerce, mas que esta alternativa ainda é muito cara para o pequeno comerciante. “ A Associação Comercial está preparando uma plataforma de vendas on-line para tornar este acesso mais fácil, mas ainda vai levar algum tempo até estar disponível ao nosso associado”, explicou ele. Além disso, diz Turmina, “o consumidor perdeu a confiança de fazer dívidas. Os sonhos de consumo ficam para depois que a pandemia acabar. Muita gente teve a renda reduzida e outros temem ficar sem ela, por conta das demissões que acontecem pela crise”.

Camilo Turmina destacou sua preocupação com a aglomeração no transporte público, que vem sendo repetida constantemente. “É preciso fazer horários escalonados para todos os setores que estão trabalhando. Não podemos permitir que ônibus circulem lotados. Deste jeito não haverá queda nos números da pandemia e esta agonia que vivemos se prolongará por muito mais tempo”, comentou. O presidente da ACP acha que a solução só virá com a vacina contra a Covid-19. “Enquanto não houver vacina, os números vão continuar oscilando”, falou o dirigente.

Sobre a recuperação da economia, depois que a pandemia passar, Turmina considera importante que o Brasil deixe de ser um exportador de matéria-prima e passe a produzir os bens de consumo em nosso país. “Não podemos depender de produtos industrializados de outros países. Temos que fabricar todos os produtos aqui. Esta transformação ajudará a criar novas vagas de emprego na hora da recuperação da economia”, aposta ele. O presidente da ACP diz que seria um bom momento para que o país fizesse as reformas necessárias, especialmente as reformas tributária e administrativa. “Esse seria o momento de recomeçar com regras novas, reduzindo a carga tributária do país. Mas não vejo nenhum interesse dos políticos neste tema. Eles deveriam dar o exemplo e promover a redução de seus salários, mas isto nem se cogita”, finalizou Camilo Turmina.