Renato Follador fala sobre Reforma Previdenciária na ACP

O engenheiro civil e administrador de empresas Renato Follador, consultor financeiro e há 30 anos pesquisador do tema previdência pública e privada, a convite do Conselho de Desenvolvimento, Economia e Finanças da Associação Comercial do Paraná (ACP), coordenado pelo vice-presidente Antoninho Caron, apresentou nessa segunda-feira (23) sua visão pessoal sobre a Reforma da Previdência que está em trâmite no Congresso Nacional, aos integrantes do referido conselho.

Resumindo a opinião que defende há muito tempo em palestras, artigos e entrevistas, Follador intitulou a palestra na ACP de “Reforma da Previdência, necessária, urgente e… errada”, ressaltando que a proposta do governo é “tecnicamente inconsistente, constitucionalmente frágil e mal comunicada”.

Com base na experiência acumulada em três décadas de dedicação ao assunto, Follador afirmou que uma reforma previdenciária correta, robusta e aceitável “é plenamente possível, além de contar com o apoio da mídia, do setor produtivo e do mercado financeiro”.

O consultor lembrou as linhas gerais da sugestão que defende, sublinhando a fixação de idade mínima (65 anos) para a aposentadoria dos futuros segurados de ambos os sexos, além de manter o Fator Previdenciário “como fórmula de cálculo, tanto para o setor privado como para o setor público”. Ele reiterou que o Brasil é um dos únicos quatro países do mundo a não fixar idade limite para a aposentadoria.

Além disso, Follador afirmou que o tempo de contribuição deveria ser de 25 anos, sendo que as mulheres teriam um incremento de cinco anos nesse cálculo, com a diminuição de igual período de contribuição. A justificativa é que “as mulheres teriam de carência a mesma idade mínima que os homens, pois vivem mais, mas contribuiriam cinco anos menos por causa da dupla jornada de trabalho”.

Sugestão importante de Follador à proposta de Reforma da Previdência é a regra de transição de “50% a mais no tempo de contribuição faltante para a aposentadoria de quem já está no mercado de trabalho”, assim como o direcionamento obrigatório de “1% a 3% do FGTS do segurado para uma previdência privada de sua livre escolha, para ser utilizado exclusivamente em forma de renda mensal na aposentadoria”.

Em termos do equilíbrio fiscal no longo prazo, o consultor informou que o mesmo seria garantido pela implantação da idade mínima e pelo fato do fator previdenciário corrigir de forma endógena, anualmente, o aumento da longevidade pela atualização demográfica do IBGE, evitando que o tema volte ao Congresso no futuro.

Com o direcionamento de parte do FGTS para uma previdência privada seria permitido mesmo aos que têm como remuneração o salário mínimo, o acesso a um plano B para a velhice, “com a poupança desemprego rendendo muito mais que o combalido FGTS manipulado pelo governo”.

 

Renato Follador fala sobre Reforma Previdenciária na ACP
Renato Follador fala sobre Reforma Previdenciária na ACP
Renato Follador fala sobre Reforma Previdenciária na ACP
Renato Follador fala sobre Reforma Previdenciária na ACP
Renato Follador fala sobre Reforma Previdenciária na ACP
Renato Follador fala sobre Reforma Previdenciária na ACP
Renato Follador fala sobre Reforma Previdenciária na ACP
Renato Follador fala sobre Reforma Previdenciária na ACP
Renato Follador fala sobre Reforma Previdenciária na ACP
Renato Follador fala sobre Reforma Previdenciária na ACP
Renato Follador fala sobre Reforma Previdenciária na ACP
Renato Follador fala sobre Reforma Previdenciária na ACP