Pesquisa ACP/Datacenso aponta queda nas vendas para o Natal

Entidade lança Campanha Natal Premiado para estimular consumidores

A pesquisa ACP/Datacenso sobre a expectativa do comércio para as vendas motivadas pelas festas natalinas desse ano, realizada entre os dias 12 e 13 do corrente com 200 comerciantes e 200 consumidores, mostrou que em comparação com o mesmo período do ano passado as vendas sofrerão queda nominal de 5%, saltando para 15% de queda real ao ser o índice corrigido pela inflação acumulada em 9,93%.

Crise econômica, estagnação do mercado e aumento da inflação foram citados pelos empresários como causas básicas do sofrível desempenho esperado, mesmo que a maioria dos lojistas tenha a intenção de trabalhar com promoções especiais para a data que sempre foi a melhor oportunidade de incremento das vendas no varejo.

A maioria dos comerciantes (60%) também abriu mão de contratar mão de obra temporária e, os que vão fazê-lo (40%) optarão por reduzido número de funcionários dos quais apenas 13% serão contratados como efetivos.

Os comerciantes entrevistados revelaram também grande preocupação com o ritmo dos negócios em 2016, tendo em vista que não há nenhum sinal confiável de mudança do cenário de dificuldades que vem crescendo a cada mês.

O presidente Antonio Miguel Espolador Neto, da Associação Comercial do Paraná (ACP), reiterou que “os números exibidos pela pesquisa ACP/Datacenso confirmam a expectativa pessimista da rede comercial diante da recessão da economia e da redução do poder de compra do consumidor”, sublinhando que a entidade lançou uma campanha de estímulo às vendas de final de ano com o sorteio de um automóvel e seis caminhões carregados de prêmios.

Promoções especiais

Além disso, a entidade tem incentivado os empreendedores a lançar mão de seus próprios recursos e estratégias de vendas “com destaque para boa apresentação das lojas, a escolha de bons produtos e a preparação dos vendedores para receber bem a clientela, além das promoções especiais”.  

Com relação aos consumidores a pesquisa detectou que o principal destino do 13º salário será o pagamento de dívidas acumuladas no cartão de crédito, aplicação na caderneta de poupança e, em terceiro lugar, a compra de presentes de Natal. O percentual de consumidores que pretendem usar o 13º para quitar dívidas de cartão é de 42%, ao passo que 32% vão guardar na poupança, 31% comprar presentes, 19% cobrir despesas do início do ano e 15% fazer uma viagem já programada.

Para o economista Cláudio Shimoyama, CEO do Datacenso Pesquisa, “o consumidor curitibano pretende gastar menos dinheiro do que em 2014, demonstrando estar cauteloso com a evolução do quadro econômico”. Na verdade, segundo o economista, “a expectativa do comércio para o próximo Natal é a pior dos últimos anos, desde o início da série de pesquisas feitas pela Associação Comercial do Paraná”.

Três presentes

Cada comprador relatou a intenção de presentear três pessoas com o gasto médio de R$ 85 por presente, totalizando R$ 255. Parentes (68%), filhos (49%), esposo/esposa (17%), amigos (4%) e namorado/namorada (4%), pela ordem decrescente serão os recebedores dos presentes. “No ano passado o valor médio gasto em presentes chegou a R$ 285, mostrando agora a redução de 19% no índice corrigido pela inflação”, revelou o responsável técnico pela pesquisa.

Entre os presentes mais citados estão roupas e acessórios, brinquedos, calçados, utilidades domésticas, panetones e chocolates.

A pesquisa ACP/Datacenso avaliou também o estado de espírito dos comerciantes com relação a 2016, constatando que 62% deles se mostram preocupados e apenas 19% ainda manifestam algum entusiasmo pelos negócios, enquanto 15% aguardam novas oportunidades. O índice de preocupação do empreendedor comercial apresentou o aumento de 15 pontos percentuais em comparação com o ano passado, acusando crescimento da ordem de 32%.

Para 47% dos comerciantes entrevistados o fechamento do ano de 2015 será pior do que o do ano passado. A indicação de desempenho melhor foi citada por 20%, com uma queda de 11 pontos em relação a 2014, quando registrou 31%.